Atacama: Dicas básicas e úteis para a sua viagem ao deserto

Foi mais ou menos assim. Um dia, eu estava assistindo TV e ouvi a apresentadora, que estava em Santiago, dizer que o céu do Deserto do Atacama era um dos mais bonitos do mundo. Apaixonado pela lua e pelas estrelas, resolvi procurar sobre o lugar. E decidi que eu iria até lá o mais breve possível.

Dois anos depois, achei que era a hora de encarar o deserto. Procurei tudo sobre os passeios e fiquei com um pouco de medo da baixa umidade e da grande altitude. Por muitos meses, fui atrás de respostas para as mais diversas perguntas. Agora, chegou a hora de eu mesmo responder tudo o que vi e senti naquele paraíso.

Atacama: Dicas úteis e básicas

Atacama: Dicas úteis e básicas (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Qual a cidade ideal para se hospedar?
Sem dúvida, o ideal é ficar hospedado em San Pedro de Atacama. Não adianta pagar menos e se hospedar em Calama sendo que para chegar aos passeios você demorará, pelo menos, uma hora a mais do que saindo de San Pedro. O avião chegará em Calama (2 horas de Santiago). Lá, você pegará transfer ou táxi e 1h30 depois estará em San Pedro.

O que preciso levar na mala?
Antes de embarcar para o Atacama, passe na farmácia e compre um soro para o nariz e um colírio, que seu médico pode receitar, para lubrificar os olhos. Isso é muito importante. Como a umidade em alguns lugares pode chegar a 0%, é importante estar sempre preparado. Não esqueça também do protetor solar, protetor labial e hidratante (para usar MUITO! Mesmo quem não está acostumado a usá-lo no Brasil). Luvas, gorro, meias de lã (item que este que vos escreve esqueceu e sentiu muita falta nos -8 graus que pegou) e cachecol são essenciais. Acrescento, inclusive, roupas térmicas. Eu usei tudo isso e ainda senti frio. O tênis pode ser normal, não precisa ser nada tão específico assim. Não esqueça de camisetas leves porque durante o dia faz calor.

Atacama: Dicas úteis e básicas (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Já que é deserto, dá muita sede?
Sim! Dá muita sede! Em todos os passeios, os guias irão dizer que é importante beber muita água por causa da altitude, além de ser muito seco, é claro. Uma dica é comprar aqueles galões de água e ir repondo as suas garrafinhas. Mas tome cuidado! Resolvi colocar o galão no frigobar e, por causa do frio da noite, ele congelou inteiro. Em cada passeio, costumava levar duas garrafinhas. E, geralmente, não há lugar para comprar água durante os passeios.

Quantos dias preciso ficar no Atacama?
Isso varia de pessoa para pessoa. Para quem tem ânimo e quer fazer mais de um passeio por dia, acredito que três dias inteiros estão de bom tamanho. Mas é puxado. Cheguei terça à noite, fiz dois passeios na quarta, três na quinta e um de dia inteiro na sexta. Fui embora sábado de manhã. O deserto mexe muito com nosso corpo, então, pelo menos para mim, este tempo foi ideal. Mais do que três dias, acredito que meu corpo ia começar a reclamar.

Consigo sacar dinheiro em San Pedro de Atacama?
Sim. Lá há dois ou três caixas eletrônicos. Mas dizem que na alta temporada o dinheiro do caixa eletrônico acaba bem rápido e só é reposto no dia seguinte. Portanto, leve dólares ou reais. Lá há casas de câmbio e muitos lugares aceitam dólares, inclusive, para pagar os passeios. Fiz isso direto na agência e tive um câmbio bem justo.

Atacama: Dicas úteis e básicas (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Devo chegar com os passeios fechados?
Não. A Caracoles, rua principal da cidade, é lotada de agências de turismo. Quando você chegar, dê uma passada em algumas, fale exatamente o que você pretende fazer e chore por um desconto. Geralmente funciona.

É deserto de verdade ou existe civilização?
Existe civilização. A Caracoles, rua principal, é o grande point de San Pedro de Atacama. Lá que estão os principais restaurantes, bares, mercados, lojinhas e agências de turismo. Portanto, mesmo estando no deserto, você consegue comer e beber bem, fazer comprinhas e tomar banho com água bem quente.

Atacama: Dicas úteis e básicas (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Terei problemas com a altitude?
Isso varia de pessoa para pessoa. Eu não tive nada durante minha passagem pelo Atacama. Nada mesmo. E olha que sou um hipocondríaco assumido. Não fiquei com falta de ar, não tive nenhum problema no estômago, meu nariz não sangrou, não fiquei cansado, não precisei andar devagar e minha cabeça não doeu. A dica é sempre começar pelos passeios mais leves, que sobem aos poucos. Por isso, fiz primeiro as Lagunas Altiplânicas, que chegam a 4200 metros, mas a subida é devagar. Dizem que não é bom começar pelos Geysers, já que sobe mais de 2 mil metros em 1 hora. Outra dica, é evitar comer carne, comida pesada e beber muito nas noites anteriores aos passeios que sobem muito e de forma rápida.

Faz frio ou calor no Deserto do Atacama?
Faz frio à noite e de manhã. Durante a tarde o calor é grande. Portanto, leve roupas leves e pesadas para não suar muito nem tremer.

Ficarei com alguma música na cabeça depois de ler este post?
Você, eu não sei. Mas, confesso, cantei mentalmente várias vezes “o deserto que atravessei, ninguém me viu passar”, trecho de Catedral, cada vez que escrevi a palavra “deserto” neste post. Mas lá, pelo menos, esta música não passou pelo minha cabeça. Depois deste desabafo, aproveite cada momento desta viagem. Será inesquecível.

Booking.com

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

31 Comments

  1. Marília disse:

    Olá!
    Gostaria de saber quanto foi sua passagem de Santiago a Calama?
    Pois estou combinando de ir para o Chile e conhecer Santiago e deserto do Atacama, gostaria de conhecer mais,porém deixarei para a próxima.E também poderia dizer quanto custou a diária dos hotéis que você ficou?Ficarei agradecida!

  2. Marcio Audie disse:

    Olá, alguém conhece ou já usou os serviços da Tani Tani Traveller no Atacama? estou pesquisando passeios e os preços estão com diferenças gritantes.

  3. natalia disse:

    Problemas com Transfer Calama – Atacama – Calama. Empresa Trans Licancabur
    Boa tarde!
    Reservei transfer para 3 pessoas de ida e volta com a empresa LICANCABUR e eles simplesmente não apareceram para nos buscar na volta!! Estávamos em hotel diferente, mas informamos ao atendente. Tivemos que contratar um carro particular para nos levar que foi caríssimo. Quase perdemos o voo e a empresa ainda nem devolveu o dinheiro. Na correria acabamos perdendo o bilhete por isso não levamos a reclamação adiante. Só deixo aqui registrado o grave erro da empresa que não indico pra ninguém.

  4. Carolina Belo disse:

    Oi Adolfo, excelente suas dicas. Irei para lá em breve e não estava me ligando no colírio (só com o soro para o nariz). Vou tomar um remédio por garantia para não passar mal com a altitude, pois quase morri em Cuzco, ha ha ha ha…
    Abraços
    Carolina

    • Adolfo disse:

      Oi, Carolina. Que bom que você gostou das dicas!

      Eu não tive nada no olho, mas sempre é bom levar um colírio!

      Qualquer dúvida, é só falar.

      Aproveite sua viagem! 🙂

  5. Bruna Samuara disse:

    Parabéns pelo post. 😀
    Já anotei as dicas. Irei em abril/2016… pensa numa menina ansiosa!
    Desejo que meu nariz não sangre por lá, já basta aqui em Brasília.
    Mas, me surgiu uma dúvida: como é a iluminação por lá? Pergunto isso pq vi alguns comentários (isolados) no tripadivisor e booking, sugerindo levar lanterna. É necessário?
    Obrigada

  6. leticia disse:

    Parabéns pelo post! me ajudou muuuuito! 😀

  7. Jéssica Silva disse:

    Olá,

    Adorei suas dicas.
    Minha dúvida é em relação ao idioma, consigo me virar lá com o português e um pouco de inglês?
    Aprendi alguma coisa de espanhol durante um intercâmbio na Europa, mas durante uma viagem com chilenos, senti muita dificuldade em entende-los.

    Obrigada

  8. mulhercasadaviaja disse:

    Boas dicas, obrigada! Quanto à música, eu também sempre tenho uma a cada destino. No deserto a minha seria "In the desert you can't remember your name 'Cause there ain't no one for to give you no pain. La, la, la, la, la"

  9. valmyr disse:

    Excelente as dicas, foram muito úteis! Valeu! Estaremos indo para o Atacama em abril, quando acredito que os efeitos, tanto do calor quanto do frio, são minimizados, certo?

  10. Jessica disse:

    Estarei indo para Iquiqui em março, pretendo conhecer o Atacama também… Quero muito ver o céu do deserto… Dizem ser mais lindo…

  11. Maycon Nunes disse:

    eu transei no deserto e nao senti nada……valeu muito a pena as aventuras no atacama

  12. aline disse:

    linda analise de viagem. Espero que saiba aproveitar, assim como vc, essa oportunidade para expandir minha alma.
    irei incluir lincacabur no meu passeio.
    Grata aiine

  13. claudio klein disse:

    Há um ano estamos eu e minha esposa planejamos nossa viagem ao Atacama, mais precisamente, pretendíamos subir o Licancabur, o vulcão extinto que é o maior ícone dos atacamenhos. Fechamos um pacote completo com Edison, da planeta aventura, que além da subida propriamente dita, havia toda uma programação de caminhadas em altas altitudes e a subida de outras montanhas como preparação para a difícil subida ao Licancabur.
    Duas coisas nos impactaram muito nesta viagem: a primeira foi a qualidade do atendimento da Planeta Aventura, especialmente de Edison. Um atendimento espetacular, profissionalismo extremo e sobretudo uma atenção aos detalhes que fazem toda a diferença neste tipo de pacote. Recomendo.
    A segunda foi o impacto que esta região nos causou. O Atacama é algo inominável. Tudo lá é magico. É um mundo tão belo, exuberante, grandioso, mas ao mesmo tempo hostil indomável indecifrável. De alguma maneira Atacama nos transforma. Mudam as sensações, os humores, os temores. Tudo fica pequeno diante da grandiosidade da natureza. O tempo se dobra e as horas se derretem ao frio, à secura, ao sal e a ultra radiação solar. Tudo fica “ muito” no Atacama. Muito frio, muito calor. Muito seco, muito sol, muito vento. Muito alto, muito sal, muita poeira e muita areia. E nesses “muitos” , boa parte de nós vai ficando “pouco”. Porque no Atacama a gente se sente “pouco”. Pouco forte, pouco preparado, pouco protegido, pouco confortável, pouco importante, pouco imprescindível, pouco superior. Pouco informado, pouco conectado. O ego fica pouco. E quando tudo que menos interessa na vida fica pouco, as coisas importantes se sobressaem. Ficamos melhores e nos sentimos melhores.Essa foi a mágica que tanto nos fascinou no Atacama. Nada das expectativas planejadas há um ano tiverem sentido nesta viagem. Não sabíamos que isso tudo era tão pouco. Subir ao topo do Licancabur, seria a realização máxima de nossa viagem. Mas talvez esta montanha milenar e impassível, cultuada e respeitada pelos atacamenhos desde a primeira idade, nos tenha dado uma lição. Talvez o frio, o despreparo com altitude nos tenha ajudado a entender o quanto efêmero são conquistas voltadas ao ego. Desta nossa primeira viagem para o Atacama, conseguimos conquistar algo muito mais importante do que chegarmos ao topo da mais importante e imponente montanha da região. O Licancabur vai estar sempre aí. Nós voltaremos, muito mais vezes para Atacama. Agora muito mais para rever amigos. A montanha estará sempre aí, nos esperando, até que um dia nos permita chegar ao seu cume.

    • Adolfo disse:

      Oi, Claudio.

      Tudo bem?

      Adorei seu comentário. Tudo o que você disse é verdade. O Atacama é transformador. Ninguém volta de lá da mesma forma que chegou. E concordo com você. É ótimo para o ego! Todos deviam passar por lá para fazer um exercício de ego e perceber como somos pequenos.

      Abs e muito obrigado!

  14. Vivianne disse:

    Olá Tudo bem?
    Vi todas suas dicas e achei super importantes.
    Queria saber se realmente não é imprescindível comprar aqueles tênis-botinhas estilo Timberland ?
    Depois de tomar tanta agua durante o dia nos passeios tem lugares para ir ao banheiro? Rs rs
    Com qual agencia você fechou seu transfer ida e volta?

    Obrigada.

    • Adolfo disse:

      Oi, Viviane.

      Tudo bem e você?

      Que bom que você viu as dicas! Então, pelos passeios que eu fiz, não senti necessidade de usar um tênis desses especiais. Acho que depende muito do que você for fazer. Se for trilha mais pesada, talvez seja importante. Mas para os passeios básicos, não precisa não. Um tênis normal está bom.

      Quanto ao transfer, eu fechei com o próprio hostel em que eu me hospedei.

      Obrigado!

  15. Mah Barros disse:

    Fiz essa viagem em março deste ano e posso dizer que foi a aventura mais louca e deliciosa da minha vida !!! Viajei de carro e dirigindo sozinha do interior de São Paulo (Avaré) até San Pedro de Atacama, cruzando a Cordilheira dos Andes por Los Libertadores… Foram 23 dias na estrada e, apesar de ter feito centenas de imagens, impossível expressar com justiça toda a emoção de estar nesses lugares… Abração !!!

  16. Danilo Gravina disse:

    Olá amigo. Muito boa suas dicas. Quero ir ao Atacama pra fazer o Tour Astronômico. Estou pesquisando e depois de suas dicas fiquei com mais vontade ainda de ir. Abraços.

  17. bianca disse:

    hahahahaha que máximo, eu vou pro Atacama em maio e toda vez que penso nisso fico com aquela múscia "in the desert, you cant remember your name…."

    • Adolfo disse:

      Oi Bianca!!

      Tenho que certeza que você vai adorar o Atacama! E você vai lembrar MUITO dessa música por lá rsrs!

      Ótima viagem!

      Conte depois como foi.

      Abs

    • Camila disse:

      Olá Bianca, tudo bem?
      Estou indo para o Atacama em Agosto, se puder conte depois suas experiências. Já li bastante sobre lá e estou muito ansiosa com essa viagem!
      Aproveite bastante e boa viagem.

      • Mauro disse:

        Camila,

        Sou de São Paulo e também estarei no Atacama na primeira quinzena de Agosto de 2014, com mais duas pessoas.
        Ficaremos 4 dias, hospedados em San Pedro.
        Neste período, gostaríamos de fazer todos os passeios diurnos e também o observatório astronômico, na noite com melhor visibilidade.
        Vamos manter contato, alinhar nossos roteiros e com um grupo maior, economizar mais nos passeios.

        vamos trocar e-mails:
        mauraopontocom@gmail.com

        1 abraço!

  18. julianabacci disse:

    Muito legal!! E, sim, o Atacama é lindo 🙂

  19. Juliana disse:

    pra mim a música que fica na minha cabeça é "Os desertos escaldantes, o paraíso é logo ali" do capital inicial.
    Um paraíso mesmo… lugar de belezas indescritíveis!

  20. Daniela disse:

    O Atacama é um dos lugares mais bonitos que já visitei na vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *