Café Colonial em Gramado: Como é e onde tomar

Desde pequeno eu sempre tive vontade de conhecer um verdadeiro café colonial em Gramado. Ouvia as pessoas falando da quantidade de comida e de como tudo era gostoso e ficava com água na boca. Só não imaginava que era realmente tanta comida assim. Neste post, conto como foi a minha experiência e dou dicas de onde tomar um autêntico café colonial em Gramado.

CAFÉ COLONIAL EM GRAMADO

Minha estreia neste quesito foi no Coelho Café Colonial, mas pelo que vi, praticamente todos os lugares que oferecem o café servem praticamente as mesmas coisas.

A tradição do café colonial em Gramado vem da Alemanha e ainda hoje os membros de algumas famílias da cidade se reúnem nas tardes de domingo para conversar e tomar o café juntos.

Café Colonial em Gramado (Foto: Esse Mundo é Nosso)

| COMO FUNCIONA

Pra começar, esqueça a palavra “café” na hora de escolher o seu café colonial em Gramado. A verdade é que eles funcionam o dia todo (o Coelho, por exemplo, fica aberto das 10h às 22h) e são uma excelente opção para almoço ou jantar.

+ Encontre seu hotel na cidade com descontos especiais

Eu jurava que o café colonial fosse no sistema buffet/self service, mas não. Quando sentamos na nossa mesa, o garçom já perguntou se estávamos prontos e de repente, meu amigo, era comida que não acabava mais. Eles começaram a trazer os bolos, pães, geleias, salgadinhos, vinhos, sanduíches

O valor por pessoa é fechado. No caso do Coelho, custa R$ 74,90 (valor de abril de 2018), mas é possível encontrar descontos em sites de compras coletivas como o Peixe Urbano e o Groupon. Sempre é bom ficar de olho.

No total, são cerca de 80 tipos de doces e salgados: cucas, pães, bolinha de queijo, frango a passarinho, lombo de porco, legumes, linguiça, polenta frita, croquete de frango, torta fria de presunto e queijo, pizza de presunto e queijo, picles, doces coloniais, bolo de laranja, bolo de cenoura, bolo de chocolate, bolo de limão, bolo de requeijão, rocambole, apfelstrudel, schmier (geleias), manteiga, nata, queijo, salame, mel, queschmier, morcilias, conservas, waffles e muito mais.

Café Colonial em Gramado (Foto: Esse Mundo é Nosso)

É preciso ir com muita fome para dar conta do recado. E como se tudo isso já não bastasse, no caso do Coelho Café Colonial, guarde um espaço generoso para as tortas geladas que ficam expostas em uma geladeira. Bolo de brigadeiro, que estava sensacional, torta de nozes, Marta Rocha, coco queimado, torta de limão e sagu são alguns dos exemplos. Ai que saudade que me dá quando lembro que eu podia comer tudo aquilo naquele dia e hoje almocei salada e arroz integral rsrs.

Então, aproveite!! Dá para repetir quantas vezes quiser tudo! Inclusive os pratos que o garçom serve à mesa.

+ Encontre seu hotel na cidade com descontos especiais

Para beber, há suco de uva, vinho branco seco e vinho tinto suave, café , leite quente, chás e chocolate quente.

Foi uma experiência inesquecível! Tão inesquecível que todos os dias eu lembro e fico com vontade de repetir a dose!! Quero um café colonial desses aqui em São Paulo!!!

| ONDE TOMAR O CAFÉ COLONIAL EM GRAMADO

COELHO CAFÉ COLONIAL
Av. das Hortênsias, 5433 – Avenida Central, Gramado
Tel.: 54 – 3286-2538
De segunda a sexta das 11h às 21h
Sábados e domingos das 10h30 às 22h
Site oficial

CAFÉ COLONIAL BELA VISTA
Av. das Hortênsias, 3.500 e 4.665
Tel.: 54 – 3286 1608
De segunda a sexta das 11h30 às 23h
Site oficial

GRAMADO CAFÉ COLONIAL
Av. Don Luiz Guanella, 1168 – Vila Suica – Gramado
Tel.: 54 – 3282-2317
Das 11h30 às 21h30
Site oficial

Ficou com alguma dúvida sobre o café colonial em Gramado? Deixe pra gente nos comentários!

+ Encontre seu hotel na cidade com descontos especiais
+ Veja todas as nossas dicas da região
+ Quando ir: descubra a melhor época pra viajar pra lá

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

1 Comment

  1. Juliana disse:

    Morro de vontade de ir mas meu coração dói de ver esse tanto de comida que deve ser desperdiçada em grande parte…o valor poderia ser um pouquinho mais baixo também, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *