Como entender o confuso metrô de Nova York

 

Antes de embarcar para Nova York, li inúmeras matérias falando sobre o metrô da cidade. Andar de metrô por lá é praticamente obrigatório. Não apenas pelo preço do táxi, mas por ser quase impossível se movimentar de carro pelas grandes e lotadas avenidas da cidade. Confesso que vi mais táxis do que carros comuns. Ônibus também talvez não seja um bom negócio, já que o trânsito é muito pesado.

As linhas do metrô de Nova York servem praticamente toda a cidade e, realmente, não é tão fácil se encontrar nelas, mas nada que um mapa e um pouco de paciência não resolvam. Vou colocar aqui o meu exemplo e tentar explicar um pouco como funciona essa máquina.

Entendendo o metrô

Fiquei hospedado em Upper West Side, na rua 87. A um quarteirão do meu hotel, na rua 86 com a Broadway havia uma estação com duas entradas diferentes. A partir daí você tem que prestar atenção. Uma delas vai sentido Uptown e outra Downtown. Nos dias em que eu queria ir para as ruas mais baixas, sentido Times Square, eu pegava o sentido Downtown, para voltar para o hotel, pegava sentido Uptown. Em algumas estações, se você entrar no sentido errado, não irá conseguir ir para a outra parte.

Outra situação curiosa é que o metrô é dividido em letras e números e em um mesmo local passam diversos deles. Então, se eu quisesse pegar a linha R, não poderia entrar logo de cara no primeiro trem que passasse, já que outras linhas passam por ali. Então, o negócio é ficar atento e perguntar caso tenha dúvida. Todos os moradores da cidade foram muito atenciosos comigo quando tive dúvidas.

Agora como eu faço para descobrir a linha que eu tenho que pegar? Simples! Pegue o mapa e veja qual a estação mais próxima que você quer descer. Fique atento porque algumas estações não fazem “pinga-pinga” e alguns trens são expressos. Para ir para alguns lugares, por exemplo, você tem que descer na estação 42 e depois pegar outra linha para ir até onde você quer chegar.

Uma dica muito boa é baixar o aplicativo gratuito “NYC Subway” no celular. Depois que você descobrir o nome das estações, ele te dá o trajeto completo. Todas as vezes que eu usei, coincidiram com o que eu havia planejado pelo mapa.

Falando pode até parecer um bicho de um milhão de cabeças, mas lá você vai ver que não é tão complicado assim.

[vsw id=”35838374″ source=”vimeo” width=”640″ height=”360″ autoplay=”no”]

Estações e trens

O metrô de São Paulo poderia ser muito melhor do que o de Nova York, se ele percorresse a cidade inteira, como o da Big Apple. Em Nova York, as estações são sujas e muito, muito quentes. Prepare-se para estranhar muito quando entrar na primeira.

Elas são escuras, sujas, geralmente fedem e chegam a dar até desespero por não ter circulação de ar. Já os trens são mais limpos e todos possuem ar-condicionado, muito forte, por sinal. Você sai da estação super quente, entra no trem super gelado e depois volta para outra estação “infernal”.

 

 

 

 

 

 

Mesmo em horário de pico, o metrô não chega a ter nem metade da lotação do de São Paulo. As pessoas não empurram, pedem licença e esperam quem está dentro do trem sair para poder entrar. No fim de noite, também é seguro usar o metrô. Aliás, é comum presenciar pessoas com IPads e IPhones, mesmo sem a internet funcionar nos túneis. O sinal do celular também morre quando você entra na maioria das estações

Metro Card

Se você vai passar pelo menos cinco dias na cidade, talvez valha a pena adquirir o “Metro Card”, como já contamos aqui no blog. Por 29 dólares, você compra o seu cartão em máquinas ou com funcionários, e pode usar quantas vezes quiser todos os dias.

Portanto, esqueça o táxi e vá de metrô que você só sairá ganhando!

E antes de embarcar já é bom você ir treinando e estudando bem o mapa do metrô para não se perder pelos túneis da Big Apple (clique na imagem para ampliar).

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

6 Comments

  1. Arkani disse:

    Postagem tendenciosa e mal escrita.

  2. Olá !!
    Cai de para quedas aqui no seu blog e nossa, tive a mesma sensação que você no metrô de New York…também sou de São Paulo, já morei em Madrid, mas o metrô de New York te deixa confuso com relação as letras e não poder saltar em qualquer vagao que passe, pois você pode correr o risco de ir parar do outro lado da cidade num expresso !! Rs…..também vi ratos do tamanho de um poodle andando nas estações…em pelo midtown !…..adorei seu post, vou compartilhar e indicar no meu blog ok ?? http://www.menezesglaucia.blogspot.com.br/
    Obrigada por compartilhar tanta informação útil….

  3. Wes disse:

    Mas como você faz pra identificar se o trem é o que vc precisa? vem identificado nas paredes, tipo R?! identifica pela cor?!

    • Adolfo disse:

      Oi Wesley!

      Muito obrigado pelo comentário no blog!

      Fique tranquulo que todos os trens vêm sinalizados com a letra da linha que estão fazendo.

      Obrigado pelo comentário

  4. Dani disse:

    Pesquisando, encontrei seu blog! Obrigada por ajudar-nos!
    Besos de Buenos Aires
    Dani

  5. Carolmay disse:

    Muito bom Rafa. Vou para lá em agosto!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *