Imigração nos Estados Unidos: Como é e dicas da alfândega

Passar pela imigração nos Estados Unidos, assim como em outros países, deixa qualquer um tenso. Afinal, mesmo tendo o visto e todos os documentos corretos, sempre dá aquela insegurança. Será que irão com a nossa cara? O que vão me perguntar? Quanto tempo irá demorar?

Pensando nisso, vou contar aqui neste post um pouco das minhas experiências ao passar algumas vezes pela imigração nos Estados Unidos.

IMIGRAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS

Já entrei nos Estados Unidos por diferentes aeroportos: Charlotte (Carolina do Norte), Nova York (Newark e JFK), Dallas e Orlando. Apesar de toda a tensão, sempre foi bem tranquilo passar pela imigração nos Estados Unidos.

A imigração acontece sempre na primeira cidade que você desembarca no país. Por exemplo, uma das vezes eu ia para San Diego, na Califórnia, mas o meu voo foi São Paulo – Dallas e depois Dallas – San Diego. Por isso, fiz a imigração em Dallas. Já em San Diego, não precisei passar pelo processo de imigração novamente.

Imigração nos Estados Unidos (Foto: Shutterstock)

Foto via Shutterstock

Ao sair do avião, basta seguir as placas e ir até a zona de imigração. Lá, haverá indicações sobre qual fila você deve ficar. Geralmente, apenas familiares que moram na mesma casa podem ir juntos ao guichê da imigração. Caso contrário, a entrevista será sempre individual.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Em um primeiro momento, você deverá apresentar apenas o passaporte com o visto americano (Lembre-se que é necessário ter um visto para entrar nos Estados Unidos). Uma dica importante é levar impressos os documentos que possam ser pedidos, mas apenas apresentá-los caso o agente de imigração solicite.

Imigração nos Estados Unidos (Foto: Shutterstock)

Foto via Shutterstock

Se for viagem para estudos, não esqueça de pedir todos os papéis da escola e da acomodação e leve até o extrato do banco apenas por garantia.

+ Encontre seu hotel nos EUA com desconto

Se for viajar de férias, não esqueça também de levar a passagem de volta e os papéis da reserva do hotel impressos. É bom também ter algo que comprove seu vínculo empregatício no Brasil (holerite ou carta da empresa) ou algo como matrícula na escola ou faculdade. Nunca me pediram isso, mas se tiver, é bom levar para garantir.

Se tiver algum amigo no país e for ficar hospedado na casa dele, peça para que escreva uma carta convite e mande assinada para você. Se perguntarem onde você ficará, mostre a carta.

PERGUNTAS FREQUENTES

Muitas vezes, os funcionários da imigração não pedem para apresentar nenhum documento. Portanto, você só deve mostrá-los caso sejam solicitados. Eles costumam ser breves. Perguntam o motivo da viagem (a trabalho, a lazer, férias), qual o destino final nos Estados Unidos, quantos dias você ficará no país e quanto está levando de dinheiro. Na hora de responder as perguntas, seja direto, não enrole.

Durante a imigração nos Estados Unidos, é proibido o uso de celular e é preciso ter paciência porque as filas costumam ser longas.

Imigração nos Estados Unidos (Foto: Shutterstock)

Foto via Shutterstock

SEGURO VIAGEM

Diferente da Europa, o turista não precisa entrar nos Estados Unidos com um seguro viagem. Apesar disso, é sempre recomendável que se faça um seguro para viajar para o país. Eu mesmo nunca viajo sem. É algo barato e que garante a sua tranquilidade em caso de algum problema de saúde ou até mesmo cancelamento de voos.

Para pesquisar o melhor preço do seguro, nós sugerimos que você faça a cotação neste link, que compara os preços entre as melhores seguradoras do Brasil. É uma espécie de Buscapé para encontrar o melhor valor de seguros. Como são nossos parceiros, ao usar o cupom ESSEMUNDOENOSSO5 você ainda ganha mais 5% de desconto.

Imigração nos Estados Unidos (Foto: Shutterstock)

Foto via Shutterstock

CURIOSIDADES

Dois fatos curiosos que já aconteceram comigo. Uma vez chegando em Orlando o voo adiantou um pouco. Estava previsto para pousar às 6h e chegou às 5h30. Tivemos que ficar meia hora na aeronave porque a imigração só começava a funcionar às 6h da manhã.

Mais recentemente, em Dallas, a imigração teve duas etapas. Na primeira, precisamos colocar sozinhos os nossos dados em um computador e, inclusive, escanear o passaporte. Todas as informações solicitadas estavam em português. Mesmo assim, alguma senhoras tiveram dificuldade para entender o processo e eu tive que ajudá-las.

Imigração nos Estados Unidos (Foto: Shutterstock)

Foto via Shutterstock

Eu imaginei que isso faria com que a fila para a entrevista da imigração nos Estados Unidos fosse mais rápida, mas não foi o que aconteceu. Algumas pessoas depois que colocaram seus dados no computador já foram liberadas e não precisaram passar pela segunda etapa, mas a maioria, assim como eu, precisou enfrentar mais uma fila para passar pelo processo normal de entrevista.

Para quem não falar bem inglês, uma boa notícia. Acho que em praticamente todos os aeroportos que cheguei nos Estados Unidos sempre havia alguém que falasse português ou pelo menos espanhol, o que facilitou muito para entender todo o processo da imigração.

ALFÂNDEGA

Depois de passar pela imigração, pegamos as nossas malas e seguimos para a alfândega (Customs). Isso varia muito de local e também de situação. Algumas vezes, já fiquei em uma fila com a mala esperando para passar no raio-x de inspeção das malas enquanto um cachorro cheirava todas as bagagens.

+ Já reservou seu hotel nos Estados Unidos? Encontre o seu com desconto

Outra vez, havia mais um funcionário antes do raio-x perguntando sobre dinheiro. Inclusive, a funcionária implicou com o tamanho da mala de uma pessoa que estava comigo. Ela quis saber o motivo de uma mala tão grande para o pouco tempo de viagem. A pessoa explicou que essa era a mala que ela tinha e a funcionária deixou passar. A alfândega costuma ser bem mais tranquila e rápida do que a imigração.

Ficou com alguma dúvida sobre o processo de imigração nos Estados Unidos? Deixe nos comentários!

+ Veja mais informações no site oficial do país

+ Confira dicas de Nova York
+ Veja nossos posts sobre Orlando
+ Mais destinos no país

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

4 Comments

  1. Beatriz disse:

    Estɑ página definitivamente tem tοdos a informações
    queria disto dе assunto e não sabia a quеm perguntar.

  2. Le disse:

    Muito bom o artigo!

    Minha dúvida é a mesma que a da Deise. Depois da imigração, você vai com as malas de trem (o do próprio aeroporto) até o terminal que precisará fazer check-in pro próximo voo? Há carrinhos para ajudar com as malas? E se lembra se há custo para pegar estes carrinhos?

    Como vou descobrir o terminal que precisarei ir?

    Obrigada desde já!

  3. Deise disse:

    Então quando eu chegar em Dallas vou direto para imigração, depois pego a mala despachada e passo na alfandega? E finalmente faço o check-in para o próximo destino?

  4. Fernando disse:

    Muito Bom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *