Navy Pier: um passeio por um dos pontos mais conhecidos de Chicago

Chicago é uma cidade gelada no inverno e quente no verão. Na verdade, ela é conhecida pela neve e pelas praias de água doce. E é na costa do Lago Michigan que está um dos lugares mais bonitos da cidade: o Navy Pier.

Se você for para Chicago, reserve algumas horas para conhecer este local. Como eu fui em outubro, estava muito frio, cerca de 4 graus, embora o dia estivesse lindo, então, sofri um pouco para ficar ao ar livre, mas valeu muito a pena.

O Navy Pier, que está localizado no Near North Side, possui atrações para a família toda. Lojas, restaurantes e até a famosa roda gigante que tem uma vista incrível da cidade.

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Como chegar ao Navy Pier

No domingo em que visitei o local aconteceu a maratona de Chicago, então, as ruas estavam bloqueadas para o trânsito e, depois de perguntar para policiais e moradores (várias vezes e todos muito prestativos), acabei indo a pé num caminho de cerca de uma hora. Na volta, consegui pegar um ônibus até a Avenida Michigan. Há um ponto de ônibus, uma espécie de terminal, bem ao lado do Navy Pier, o que facilita para chegar e sair de lá.

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

História

Criado em 1916, a ideia original era de que o pier servisse de apoio para carga e descarga, mas também oferecesse entretenimento para quem estivesse por ali.

Na década de 90, depois de vários altos e baixos, o pier ganhou um novo controlador, que reformou toda a estrutura, colocando lojas, cinemas e restaurantes no local.

O que fazer

Andar sem rumo é uma das maiores atrações do Navy Pier: onhecer, observar e ir parando para registrar os momentos, fazer comprinhas, beber e comer. Um dos melhores momentos da minha viagem a Chicago foi justamente sentar em um dos bancos do Navy Pier, colocar os fones de ouvido, escutar algumas músicas e observar os belos prédios da cidade e o contraste com o rio de um azul incrível. Só por isso já teria valido a pena.

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Mas o Navy Pier possui muitas outras atrações. A minha favorita foi a roda-gigante, que foi inaugurada em 1955 e pode ser vista do alto de diversos prédios da cidade. O ingresso para uma volta nela custa 6 dólares. Lá de cima, você consegue sentir a imensidão do lago e observa o quanto a cidade é bonita. O parque de diversões também tem outras atrações.

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Chicago (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Para comer, o Navy Pier também é uma boa opção, além de Mc Donalds, lá há uma filial da rede Bubba Gump, inspirado no filme Forrest Gump e com um cardápio de frutos do mar, além de restaurantes com massas esanduiches. Para a sobremesa, escolha os sorvetes da Häagen-Dazs.

Family Pavilion (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Uma dica importante para quem não for no verão: além do frio, lá venta muito. Portanto, não esqueça de levar um casaco. Outra coisa legal é que no Navy Pier há muitas lojinhas que vendem imãs e artesanato para levar de lembrancinha da viagem. Lá também está uma das lojas Garrett Popcorn, famosa por vender a pipoca preferida de Oprah Winfrey.

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Se você estiver em Chicago durante o verão, fique de olho no site do Navy Pier para saber os dias e horários das famosas queimas de fogos.

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Navy Pier (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Passei cerca de três horas no Navy Pier e saí de lá com vontade de ficar mais. Se eu voltar a Chicago, com certeza, vou incluir este passeio novamente ao meu roteiro.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

5 Comments

  1. Josso Ares da Silva disse:

    A visita a Chicago no inverno depende, é lógico, de quem está acostumado com o frio (ou gosta). Para mim, por exemplo, 4C é uma delícia. E, em geral, cidades muito frias tem calefação em tudo quanto é lugar, nos prédios, nos ônibus…Atividades ao ar livre, naturalmente, exigem casacos e proteção – e Adolfo tem razão: atividades públicas são canceladas no inverno (mas tem muita coisa para ver em Chicago assim mesmo). Obrigado pelas dicas e informações.

  2. Vitor disse:

    O lugar funciona normalmente durante o inverno? Queria algumas dicas para o período do Natal. A cidade costuma ter algumas atraçoes especiais nessa época? Obrigado

    • Adolfo disse:

      Oi Vitor.

      Não sei se é uma boa ideia visitar Chicago nesta época do ano. A cidade fica muito fria e sofre muito com o inverno. Neva muito lá e diversas atrações ao ar livre acabam canceladas. Fui no começo de outubro e já peguei 3 graus. Acho melhor tomar cuidado para não ter que ficar trancado no quarto do hotel.

      Muito obrigado pela visita.

  3. julianabacci disse:

    Que demais, menino 🙂 Quero conhecer!

  4. Amanda Cardoso disse:

    Que delícia de lugar! Quero muito ir um dia só para poder comer no Bubba Gump!! rsrs Adorei as dicas 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *