Como o Esse Mundo é Nosso começou: Conheça nossa história

Existem duas perguntas que sempre fazem pra gente: como o blog começou e se vivemos só do blog hoje em dia. Resolvi contar mais sobre a nossa história neste post para que vocês que sempre entram aqui saibam um pouco mais da gente e para quem pretende ter um blog de viagens ou de qualquer outro assunto entenda um pouco mais da dinâmica de tudo isso.

COMO O ESSE MUNDO É NOSSO COMEÇOU

Quem vê a gente hoje viajando pelo mundo com o blog nem imagina como o Esse Mundo é Nosso começou. Foi em outubro de 2008. Eu, no auge dos meus 20 anos e no segundo ano da faculdade de jornalismo na PUC, fui fazer a entrevista de emprego que mais deixou nervoso até então. Depois de passar pelo RH, entrei numa sala e dei de cara com o Rafael e a Renata Abravanel. Eu queria muito aquele estágio, mas nem imaginava que a partir dali nasceria uma amizade pra vida toda.

Como o Esse Mundo é Nosso (Foto: Lourival Ribeiro/SBT)

Depois de quase dois meses de muita ansiedade, eu entrei como o estagiário do Rafa, que até então era o Rafael, meu chefe. A partir daquele dia a equipe de conteúdo era praticamente ele e eu. Como eu aprendi com o Rafa naqueles primeiros meses de estágio no SBT (e continuo aprendendo até hoje). Em pouco tempo, ele já me deu autonomia para fazer entrevistas e criar o que eu quisesse.

Até que em junho de 2009, seis meses depois que eu havia entrado, a Renata me chamou na sala dela e perguntou se eu conseguiria substituir o Rafa nas férias. Eu sabia que ele estava há um tempão sem poder descansar por não ter ninguém para ficar no lugar dele. Fiquei morrendo de medo, mas disse que dava conta. E acho que foi justamente aí que ficamos tão amigos.

Ele ia viajar sozinho pro Chile e pra Argentina. E eu ia ficar sozinho criando todos os conteúdos. Mas queria muito poder acompanhar a viagem dele. Naquela época, as redes sociais ainda não estavam com essa bola toda. Começávamos a usar o Twitter e a descobrir o Facebook. Então, sugeri que ele criasse um blog para que pudesse compartilhar com a gente um pouco da viagem. E foi assim que surgiu o Esse Mundo É Nosso.

Como o Esse Mundo é Nosso (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Quando o Rafa voltou de férias, ficamos ainda mais amigos. Depois, fui efetivado e ele continuou sendo meu chefe, mas eu ganhei um amigo pra vida toda, com quem eu aprendia todos os dias. Nessa época, começamos a viajar muito. Aproveitávamos feriados e finais de semana pra ir pra todo lugar possível no Brasil e no mundo. A cada férias era um novo sofrimento. Um tinha que ficar no lugar do outro. O trabalho de um aumentava enquanto o outro descansava. Até que em 2012 o blog deixou de ser só um hobby e eu entrei para esse time.

Durante quase oito anos, trabalhamos diariamente juntos no SBT lado a lado literalmente. Aprendemos muito e aguentamos muito também. Vimos de tudo passando por nós. Demos o nosso melhor, fizemos o departamento crescer e crescemos muito como profissionais.

Como o Esse Mundo é Nosso (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Até que em 2016 chegou a hora que mais esperávamos. Conseguimos passar a viver daquilo que tanto sonhávamos. Conseguimos fazer do blog nosso esforço diário.

E depois de quase 10 anos do começo dessa história lá numa sala de RH no SBT, a gente hoje tem o blog como nosso trabalho e levamos isso muito a sério. Não existe apenas diversão como tanta gente pensa. Por trás de cada viagem, tem muita responsabilidade. A gente trabalha com os sonhos das pessoas, com a expectativa das férias, de uma viagem inesquecível. Não podemos cometer erros.

Como o Esse Mundo é Nosso (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Estamos sempre em busca das melhores dicas e do melhor custo-benefício para os nossos leitores. Estudamos muito para tentar trazer a informação da melhor maneira possível. Embora sejamos jornalista e tenhamos feito pós em Comunicação Digital, o que mais aprendemos até hoje está no nosso dia a dia, no contato com cada leitor, nos comentários, nos posts e nas redes sociais.

Adoramos poder viajar pelo mundo e sabemos que somos privilegiados por conta disso, mas sempre fazemos questão de lembrar a todos que isso é um trabalho. Nossa viagem não é a mesma de antes de termos o blog. Não podemos sentar e curtir como fazíamos antes. Temos compromissos como em qualquer outro trabalho e passamos muitas horas sentados em frente ao computador. Até contei um pouco dos bastidores da nossa vida de blogueiro de viagem neste outro post.

Como o Esse Mundo é Nosso (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Hoje a gente trabalha muito mais do que em qualquer outro momento de nossas vidas, mas a gente consegue transformar nossos sonhos em trabalho. Conseguimos ajudar os outros com o que escrevemos. E conseguimos crescer sem precisar passar por cima dos outros. Conseguimos crescer pelo nosso próprio esforço. Sem puxar o tapete de ninguém, sem ter inveja. Subimos degrau por degrau sem esquecer de tudo que já passamos.

Tem gente que não acredita em destino, mas eu acho que tem alguma coisa aí… Quando eu entrei naquela sala do RH, jamais poderia imaginar que estava entrando num lugar que me faria ir para o mundo. Sim. Foi a partir daquela sala que eu e o Rafa já pisamos juntos em dezenas de países e centenas de cidades. Mas tudo isso só aconteceu graças a cada um de vocês, que entram aqui diariamente atrás de informações, que nos corrigem, criticam e elogiam e que estão sempre viajando com a gente nas redes sociais. Muito obrigado por tudo e que venham as próximos destinos! Afinal, esse mundo é nosso.

Ficou com alguma curiosidade sobre como o Esse Mundo é Nosso começou? Deixe nos comentários!

+ Vida de blogueiro de viagem: Por que não é tão perfeita assim 
+ Desabafo após ter sido julgado nas redes sociais
+ Não é errado querer passar a vida toda trabalhando em uma empresa

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *