O espetáculo da Festa Junina de São Luís e do Bumba Meu Boi

Se em Parintins o Boi Bumbá é uma batalha acirrada entre Garantido e Caprichoso, o Bumba Meu Boi do Maranhão é um espetáculo que reúne milhares de pessoas sem disputa alguma, apenas por amor aos bois. Uma das melhores épocas pra ver de perto essa manifestação popular é na Festa Junina de São Luís ou, em menor proporção, em outras cidades do Estado.

Assim como a dança do boi daqui é diferente da do Amazonas, o Maranhão distingui-se do restante do Nordeste durante os festejos juninos: não espere fogueiras e quadrilhas. Elas podem até aparecer, mas quem reina absoluto sob o céu de bandeirinhas é o Bumba Meu Boi.

A FESTA JUNINA DE SÃO LUÍS

São quatro os santos festejados em junho no Maranhão: Santo Antônio, São João, São Pedro e São Marçal (confesso que não conhecia esse último). Durante cerca de um mês, diversos arraiais se espalham pelas ruas da capital. Em praticamente todos os bairros há pelo menos um. São cerca de 500 bois (grupos) só em São Luís.

Festa Junina de São Luís - Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Nos dias em que estivemos na cidade, visitamos dois dos maiores arraiais, o Maria Aragão e o Ipem. Mas antes, pra entender o tamanho da Festa Junina de São Luís, é preciso falar do Bumba Meu Boi.

+ Veja hotéis com até 50% de desconto na cidade

Festa Junina de São Luís - Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Festa Junina de São Luís - Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

 

O BUMBA MEU BOI

Eu nasci no Sudeste e pra mim o Bumba Meu Boi sempre foi algo apenas folclórico, como o Saci-Pererê. Eu estudei um pouco e até brinquei em alguns momentos da infância, principalmente na escola. Mas só depois de visitar o Maranhão nessa época em que os bois tomam as ruas entendi a grandiosidade dessa manifestação popular.

+ Inscreva-se no nosso canal no YouTube pra mais dicas do Brasil e do mundo

Por aqui ela é levada a sério, é uma paixão que passa de geração em geração. Sabe aquela identificação que os cariocas têm com as escolas de samba, aquela dedicação o ano todo para apenas algumas apresentações, os barracões onde acontecem os ensaios? O mesmo acontece no Maranhão. A diferença é que aqui não existe competição. Tudo é feito por amor aos bois e se transforma numa das festas populares mais incríveis que já pude assistir.

Festa Junina de São Luís - Bumba Meu Boi (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Foto: Roberto Castro/Mtur

A tradição do Bumba Meu Boi, Patrimônio Cultural do Brasil desde 2012, surgiu no século XVIII numa mistura da cultura indígena, negra e portuguesa. E quando se fala em “boi”, não é apenas o personagem vestido com uma fantasia do animal. Cada boi é uma agremiação que tem diversos personagens ao redor, assim como uma escola de samba tem suas alas.

Festa Junina de São Luís - Bumba Meu Boi (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Boi Maioba na Festa Junina de São Luís (Foto: Roberto Castro/Mtur)

 

| O ENREDO

As encenações do Bumba Meu Boi têm como base a lenda de Pai Francisco, um escravo de uma grande fazenda de gado, e sua esposa Catirina, que está grávida e tem o desejo de comer língua de boi. Ela avista um dos bois bonitos e gordos do patrão e conta ao marido de sua vontade. Para atender à esposa, ele decide matar o animal e cozinhar sua língua. O que sobrou ele resolve repartir com os vizinhos.

Festa Junina de São Luís - Bumba Meu Boi (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Foto: Roberto Castro/Mtur

Após ser denunciado por um escravo que não havia recebido nenhuma parte do boi, Pai Francisco e Catirina ficam aflitos com uma possível retaliação do patrão, que está inconsolado por ter perdido seu grande boi e só quer o animal de volta. O amo então manda prender Pai Francisco, que com auxílio de curandeiros consegue ressuscitar o bicho.

 

| PERSONAGENS

Alguns dos personagens principais presentes nas apresentações de Bumba Meu Boi são o vaqueiro (ou caboclo de fita), Pai Francisco e Catirina, o boi, o dono da fazenda, índios, índias e caboclos e muitas vezes o Cazumba, um personagem divertido e também assustador que usa uma máscara. Além disso, claro, não há como não falar dos músicos, que dão o ritmo para as toadas que cantam a história de Pai Francisco mesclada com causos do cotidiano.

Festa Junina de São Luís - Boi de Santa Fé (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Boi de Santa Fé (Foto: Roberto Castro/Mtur)

 

| OS SOTAQUES

Os grupos de Bumba Meu Boi são divididos em cinco sotaques, que são os ritmos/estilos: Matraca, Orquestra, Zabumba, Baixada e Costa de Mão, esse último o mais raro. Conheça cada um deles**:

Matraca: Tem origem em São Luís e, como próprio nome diz, o principal instrumento são dois pedaços de madeira, a matraca.

Orquestra: Vem da região de Munim e usa instrumentos de sopro e corda.

Zabumba: Surgiu na região de Guimarães e é marcado pela percussão rústica e cadenciada.

Baixada: Os pandeiros e matracas dão um som mais leve e suave a esse sotaque. O Cazumba é um dos personagens característicos.

Costa de Mão: Típico da região de Cururupu, tem um ritmo cadenciado ao som de pandeiros tocados com as costas da mão, maracás e caixas.

Festa Junina de São Luís - Bumba Meu Boi (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Foto: Roberto Castro/Mtur

 

| O CALENDÁRIO DO BUMBA MEU BOI

Os ensaios começam em maio e se estendem até os festejos juninos. Um dos pontos altos é o batismo do boi, na véspera do dia de São João (de 23 para 24 de junho), quando o “couro” (manto) é trocado nos barracões. Há todo um suspense e a arte bordada só é revelada nessa noite. Como a festa junina já começou, os bois acabam passando boa parte dela com o “couro” do ano anterior.

Festa Junina de São Luís - Boi de Santa Fé (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Boi de Santa Fé (Foto: Roberto Castro/Mtur)

 

A FESTA

Como disse anteriormente, a Festa Junina de São Luís acontece em diversos arraiais espalhados pela cidade, afinal são quase 500 bois. A programação é extensa e vale sempre consultar com antecedência para se planejar. Nós visitamos dois dos maiores, o Maria Aragão e o Ipem. O primeiro é bem popular, localizado perto do Centro Histórico, com grandes palcos que recebem os mais famosos grupos de Bumba Meu Boi. O segundo, apesar de também ser num espaço grande, fica num bairro nobre e é mais “gourmetizado”. Mas, da mesma forma, há apresentações de bois.

Festa Junina de São Luís - Arraial Maria Aragão (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Festa Junina de São Luís – Arraial Maria Aragão (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Esses locais que conhecemos tinham dois palcos, um para shows (de forró, música local ou até mesmo grandes nomes nordestinos) e outro para a apresentação do Bumba Meu Boi. Cada uma dura cerca de uma hora e é emocionante ver a vibração de quem assiste ao espetáculo. Dois dos maiores bois e que mais surpreenderam pelo número de participantes, indumentárias e performance foram o Santa Fé e Maioba.

Festa Junina de São Luís - Boi de Santa Fé (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Boi de Santa Fé (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Mas arraial que é arraial, seja onde for, tem comida boa. E na capital maranhense não é diferente. Barraquinhas com as mais diversas delícias doces e salgadas também estão por toda parte. Difícil é resistir a tantos sabores que vão muito além do pé de moleque ou do bolo de milho. Por aqui a festa é embalada também por peixadas, caldos, tortas de camarão e caranguejo, entre outras delícias.

Festa Junina de São Luís (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Foto: Roberto Castro/Mtur

Quem, assim como eu, assistiu pela primeira vez, não teve como não se emocionar.

 

VISITA AOS BARRACÕES

Seja durante a Festa Junina de São Luís ou em outra época do ano, você pode conhecer ainda mais a história, entender melhor Bumba Meu Boi e ver de perto a confecção das indumentárias durante uma visita a alguns barracões. Além de local de ensaios, muitos funcionam o ano todo prestando serviço para a comunidade, como educação infantil e aulas de informática. Visitamos dois deles: um na comunidade do Maracanã e outro do Boi da Floresta, no bairro Liberdade. Lembre-se sempre de combinar antes com os organizadores sua visita.

Festa Junina de São Luís - Barracão do Boi Maracanã (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Barracão do Boi Maracanã (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Festa Junina de São Luís - Barracão do Boi da Floresta (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Barracão do Boi da Floresta (Foto: Roberto Castro/Mtur)

 

QUER APRENDER A DANÇAR?

Se você quer aprender alguns passos do Bumba Meu Boi, vale uma visita à Oficina de Percussão Maranhense, no Centro Histórico. Com algumas poucas horas de aula, já dá pra fazer alguns passos e aprender as batidas da percussão de cada um dos cinco sotaques.

Festa Junina de São Luís - Oficina de Percussão Maranhense (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Oficina de Percussão Maranhense (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Além disso, com mais tempo, dá pra arriscar outras danças locais, como o cacuriá e o tambor de crioula. Fica na Rua Portugal, no Centro Cultural Catarina Mina.

Festa Junina de São Luís - Oficina de Percussão Maranhense (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Oficina de Percussão Maranhense (Foto: Roberto Castro/Mtur)

 

Como deu pra ver, não só a Festa Junina de São Luís, mas toda a relação do povo maranhense com o Bumba Meu Boi é garantia de uma grata surpresa pra quem viaja ao Estado. Voltei apaixonado e com uma vontade louca de estar lá nessa época no ano que vem…

Festa Junina de São Luís - Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

Centro Histórico (Foto: Roberto Castro/Mtur)

VEJA TAMBÉM

+ Dicas de hotéis na capital maranhense

+ Onde comer: Restaurantes que valem a visita

+ Todas as dicas pra visitar os Lençóis Maranhenses

 

* O jornalista viajou a convite do Ministério do Turismo, mas todos os relatos descritos aqui refletem sua real experiência.
** Com informações do EBC (CC by 3.0)

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Rafael Carvalho

Mineiro fã de frango com quiabo e de uma boa cerveja, mora atualmente em São Paulo. É formado em Rádio e TV, pós-graduado em Jornalismo e trabalha há mais de 12 anos com Conteúdo Digital. Já passou por empresas como SBT e Jovem Pan FM. Apaixonado por viagens, fundou o Esse Mundo É Nosso e roda o Brasil e o mundo o ano todo sempre em busca de dicas para serem compartilhadas.

8 Comments

  1. Matheus L Ferreira disse:

    Olá, excelente matéria. Foi a melhor que achei buscando informações sobre o evento. Parabéns.
    Saberia me dizer se essa data do dia 23 para 24 de junho é fixa ou aproximada? (Por ex, é sempre de sábado para domingo mais próximo destas datas…. Ou se é sempre 23 para 24, mesmo que caia numa quarta-feira?)

    Att,

    • Oi, Matheus, tudo bem?
      A festa dura vários dias, mas o dia principal eu acho que é fixo sim, pois coincide com a véspera do dia de São João, que é dia 24. Inclusive é feriado em muitas cidades do Norte e Nordeste.

      Abraços e obrigado!

  2. Claudete Alvear disse:

    Rafael muito bom sua matéria. estou indo em junho para festa junina,por favor me dê a dica com relação como obter ingressos para ver Caprichosos e Garantido.

  3. Lindalva Souza disse:

    Obrigada. Gostei muito do texto e das dicas. Abraço.

  4. Liana disse:

    É a melhor Festa Junina de todo o Brasil pela variedade de danças que há, além do Bumba-meu-boi, tem o Cacuriá, quadrilhas, danças portuguesas,… muito lindo tudo! E a comida? Arroz de cuxá, caruru, torta de caranguejo, torta de sururu, camarão, não tem como resistir!

  5. Roberto Paixão disse:

    Realmente as energias do Bumba boi no Maranhão nos faz viajar por um mundo de encantos !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *