Termas de Budapeste: Como é passar o dia em Széchenyi

Budapeste é uma cidade surpreendente. São muitas atrações distintas que fazem dela realmente uma cidade única na Europa. Em qual outro lugar, por exemplo, você olharia uma construção neobarroca de 1913 e acharia que dentro estariam as Termas de Budapeste? Sim! Dentro desta construção lindíssima estão uma das termas mais famosas do velho continente.

Neste post, a gente conta como foi a nossa experiência durante a manhã em que passamos nas Termas de Széchenyi, que são as mais famosas Termas de Budapeste e algumas das maiores da Europa.

TERMAS DE BUDAPESTE

As Termas de Széchenyi, que como já dissemos são as mais famosas Termas de Budapeste, estão localizadas no City Park. Entre os componentes de suas águas estão o sulfato, o cálcio, o magnésio e o bicarbonato.

+ Encontre seu hotel na cidade com descontos de até 50%

Termas de Budapeste - Széchenyi (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Nós chegamos lá bem cedo. Compramos o ingresso um dia antes pelo site. Foi bem tranquilo retirar o bilhete na entrada. Adquirimos apenas o ingresso e o locker. Levamos a toalha. Fomos de chinelo, mas ficamos sabendo depois que algumas vezes eles implicam com as pessoas que já vão de chinelo e pedem para que elas aluguem um outro calçado lá na hora por já ter andado. Ainda bem que não aconteceu isso com a gente. Há a opção de reservar cabines individuais também.

+ Encontre seu hotel na cidade com descontos de até 50%

Assim que chegamos nas Termas de Széchenyi, fomos ao vestiário (aquele estilo meio depressivo, confesso), nos trocamos e já fomos pra área das piscinas. Acabamos nem deixando nada nos armários. Na parte externa, há uma piscina muito grande e aquecida. Ela estava cheia e havia muita gente de Budapeste mesmo, principalmente idosos que devem ir lá para fazer algum tipo de tratamento. Foi bem divertido.

Termas de Budapeste - Széchenyi (Foto: Esse Mundo é Nosso)

 

Encontre o melhor preço no Seguro Viagem pra Europa!
Use o cupom ESSEMUNDOENOSSO5 e ganhe mais 5% de desconto

 

Algumas das piscinas cobertas das Termas de Széchenyi têm temperaturas que variam entre 28º e 40º e as externas de 30º a 34º, entre outras.

Termas de Budapeste - Széchenyi (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Não tivemos coragem de entrar nas piscinas cobertas. Elas estavam muito cheias e apertadas. Fiquei com a impressão que aquela água não ia me curar de nada e sim ia me passar alguma doencinha kkkkk.

+ Encontre seu hotel em Budapeste com descontos de até 50%

Pra quem quiser tomar banho depois, vale a pena levar sabonete e shampoo.

Além das piscinas com água especial, as Termas de Széchenyi, que são as famosas termas de Budapeste, possuem um spa com massagens e outros tratamentos estéticos especiais que são cobrados à parte.

Seguro pra Europa é obrigatório! Faça o seu com desconto
Nós sugerimos que você faça a cotação online do seguro obrigatório pela Seguros Promo, que é um buscador que encontra os melhores preços em diversas agências. Use o cupom ESSEMUNDOENOSSO5 e ganhe mais 5% de desconto.

Lá, há ainda um bar para quem quiser comer e beber. Falando em bar, no verão, há festas que ocorrem durante a noite por lá com direito a DJ.

No site oficial, há os valores atualizados dos ingressos.


| COMO CHEGAR

As Termas ficam localizadas no City Hall. A forma mais fácil de chegar é usando o transporte público, com o trolleybus 72 ou descendo na estação Széchenyi do metrô.

Termas de Budapeste - Széchenyi (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Termas de Budapeste - Széchenyi (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Termas de Budapeste - Széchenyi (Foto: Esse Mundo é Nosso)

 

| OUTRAS TERMAS DE BUDAPESTE

Além das Termas de Széchenyi, outras termas de Budapeste bem conhecidas são Rudás e Gellért.

+ Encontre seu hotel na cidade com descontos de até 50%

+ Veja mais dicas do destino
+ O que fazer por lá: Principais pontos turísticos
+ Dicas pra aproveitar a cidade
+ Quanto custa uma viagem pra lá

 

TERMAS DE SZÉCHENYI
Állatkerti körút 9-11. – Budapeste
Tel.: (+36-1) 363-3210

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *