Visconde de Mauá: O que fazer, quando ir e roteiro

Visconde de Mauá, no Rio de Janeiro, é um daqueles cantinhos que merecem ser visitados. Com cerca de 6 mil habitantes, a cidade oferece bons restaurantes, cachoeiras e lojinhas de artesanato e produtos locais.

Mas a viagem vai muito além, já que a região toda é cheia de vilas e atrações que fazem parte do roteiro, como Maringá MG, Maringá RJ e Maromba.

Kombis em frente à Igreja de São Sebastião
Entrada da vila de Mauá (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Neste post, a gente preparou um guia completo sobre Visconde de Mauá com dicas do que fazer na região, onde comer e os melhores hotéis e pousadas. Além disso, damos uma sugestão de roteiro e falamos quantos dias ficar no destino.

Região de Visconde de Mauá

Antes de mais nada, vale um explicação. Passamos uma semana nesta região da Serra da Mantiqueira e ficamos surpresos!

A maior parte das atrações de Visconde de Mauá, na verdade, não fica na Vila de Mauá, mas sim em vilas vizinhas, como Maromba e nas Vilas de Maringá de Minas e do Rio de Janeiro.

Sim! A região é dividida nestas 4 vilas. Nas “Maringás” é onde está a maior parte dos restaurantes e lojinhas. Já as cachoeiras estão espalhadas por todas as áreas.

Se parece confuso, ainda pode piorar rs. A região de Visconde de Mauá fica bem na divisa entre Minas e Rio, então ao longo do dia você acaba indo de um estado ao outro sem nem perceber.

Placa sinaliza distância para Maromba, Maringá RJ e MG
Foto: Esse Mundo É Nosso

Então em resumo, apesar de ficarem a poucos quilômetros umas das outras, o mapa aqui se divide assim: Visconde de Mauá pertence a Resende/RJ. Já Maromba e Maringá do Rio ficam no município de Itatiaia/RJ. Por fim, a Maringá mineira fica em Bocaina de Minas/MG.

Mas quando falamos em viajar pra Visconde de Mauá, pense em todos os destinos dessa região. Você com certeza irá passar também pelas vilas de Maringá e por Maromba.

O que fazer em Visconde de Mauá

Visconde de Mauá não é um destino super agitado. Dá para conhecer todas as atrações com bastante calma, sem aquela correria das grandes cidades.

Adolfo sentado em pedra com vista pra Escorrega em Visconde de Mauá
Cachoeiras são atração em Visconde de Mauá (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Entretanto, estar de carro é essencial, já que as atrações ficam bem afastadas umas das outras. Até dá para pegar tour com alguma agência da região, mas para ter liberdade, o ideal é estar de carro.

Pra ficar mais fácil, separei em tópicos o que fazer em Visconde de Mauá:

Cachoeiras

Sem dúvidas, elas estão os principais pontos turísticos da região. São diversas espalhadas por todos os cantos e mostramos as principais abaixo.

Mas se você quiser um guia completo, já publicamos um roteiro pelas melhores cachoeiras de Visconde de Mauá com todos os detalhes.

Cachoeira do Escorrega

A Cachoeira do Escorrega, a 2 km da vila de Maromba, é uma das mais famosas. Nela, você senta ou deita nas pedras lisas e escorrega junto com a queda d’água até uma piscina natural. Ou seja, é ótima para quem curte aventuras, né?

Homem escorregando na Cachoeira do Escorrega em Visconde de Mauá
Cachoeira do Escorrega em Maromba? (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Há estacionamentos próximos, além de de estrutura de bar e restaurante. Não é preciso nem pegar trilha pra chegar até ela. Nos finais de semana costuma ficar mais cheia por conta do fluxo de visitantes e da feira de artesanato que acontece no local.

Cachoeira dos Macacos

Próxima à cachoeira do Escorrega está a dos Macacos. São cerca 15 minutos a pé por uma estradinha e apenas um trecho de trilha fácil.

Vale a visita, mas não vimos nenhum macaco por lá rsrs.

Véu de Noiva

Parece que todo lugar tem a sua cachoeira Véu de Noiva, né? Em Visconde de Mauá não poderia ser diferente. A trilha para chegar até ela é bem tranquila. A entrada é por um simpático bar.

Rafael em pé em frente à Cachoeira do Véu de Noiva em Maromba
Cachoeira do Véu de Noiva em Maromba (Foto: Esse Mundo É Nosso)

A cachoeira é bem bonita, com uma queda d’água num paredão em meio a árvores. Fica na saída da vila de Maromba.

Poção da Maromba

A Poção da Maromba, ou Poção dos 7 Metros, é outra dica de o que fazer em Visconde de Mauá. Tem esse nome porque as pessoas costumam ir até lá e pular do alto. Mas antes de pular é bom se informar para evitar acidentes.

A trilha tem cerca de 100 metros. Vale a pena parar o carro no estacionamento que fica a cerca de 200 metros dali. Evite parar na estrada porque a polícia sempre passa distribuindo multas.

Santa Clara

Uma das mais bonitas da região, a cachoeira Santa Clara fica em Bocaina de Minas, mas pertinho de Maringá e Maromba.

Cachoeira de Santa Clara em Bocaina de Minas
Cachoeira de Santa Clara (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Tem piscinas naturais que se formam aos pés da imponente queda d’água e que são um convite para quem quer se refrescar.

Toca da Raposa

Também no lado mineiro, depois de Santa Clara, a Toca da Raposa possui uma trilha de cerca de 300 metros. Embora cobre uma taxa de 4 reais para entrar, quando fomos não havia ninguém cobrando.

Pra quem quer nadar, não é a melhor opção, já que a área de banho é pequena.

Outras cachoeiras em Visconde de Mauá

Embora a gente tenha ficado uma semana em Mauá, não conseguimos visitar todas as cachoeiras da região.

Algumas que faltaram, mas que valem a visita são a Cachoeira da Saudade, a do Santuário, a da Fumaça, que é a maior cachoeira do Rio de Janeiro, a do Marimbondo e a da Prata.

Outro passeio que você pode fechar com alguma agência é por Santo Antônio e as Cachoerias Gigantes. Entre as cachoeiras visitadas estão a do Paiol, Brumado e 5 Estrelas.

Vale do Alcantilado

Ainda no quesito cachoeiras, outra dica de o que fazer em Visconde de Mauá é visitar o Vale do Alcantilado. Embora fique do lado mineiro, são apenas 8 km do centro de Mauá.

Homem atravessa ponte sobre rio no Vale do Alcantilado
Vale do Alcantilado (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Ali visitamos o Sítio Cachoeiras do Alcantilado. Apesar de ser uma propriedade particular, o local oferece diversas cachoeiras lindas. O ingresso custa R$ 28 por pessoa (valor de junho de 2021).

O Vale fica em Bocaina de Minas. São, no total, 9 cachoeiras. Por ser uma propriedade particular, o acesso às cachoeiras é totalmente sinalizado e em algumas delas tem até escada com corrimão nas trilhas.

Falando em trilhas, embora sejam 1500 metros de subida e mais 1500 metros de descida, como paramos em cada cachoeira, não parece ser tanto. Apenas o acesso à última é mais puxado.

O ideal é levar um lanchinho e também água. Só tem lojinha e uma pastelaria no começo da trilha.

Parque Corredeiras

Outra dica de o que fazer em Visconde de Mauá é o Parque Corredeiras, que também fica no Vale do Alcantilado e possui opções de esportes radicais, como tirolesa, arvorismo, boia cross, escalada e rapel.

Além disso, há uma prainha no parque para quem quiser relaxar.

Prainha e piscinas naturais

Visconde de Mauá reserva muitas surpresas. Perto de Maringá (MG), na estrada que vai pra Casa do Chocolate, tem uma piscina natural bem bonita.

Já bem no centro de Visconde de Mauá, perto do Visconde Empório, seguindo pela rua Regina d. Frech, está uma prainha gostosinha e com a água bem bonita.

Mirantão

Nós não fomos, mas a vila de Mirantão também é uma opção do que fazer em Visconde de Mauá. Além de passar pelo povoado mineiro, que fica a 13 km de Mauá, você pode ir ao Vale da Prata com as cachoeiras da Prata.

Trilhas em Visconde de Mauá

Além das cachoeiras, quem gosta de natureza não pode deixar de fazer a trilha da Pedra Selada, um dos símbolos de Visconde de Mauá.

Placa na sede do Parque da Pedra Selada em Visconde de Mauá
Sede do Parque Estadual da Pedra Selada (Foto: Esse Mundo É Nosso)

O ideal é fechar o passeio com alguma agência. A caminhada leva cerca de 2h e não é mais simples. São 1755 metros e uma vista de 360 graus.

O Parque Nacional de Itatiaia também tem opções de montanhismo e caminhadas que levam ao Pico das Agulhas Negras, o ponto mais alto do Rio de Janeiro, e Prateleiras.

Vista de Visconde de Mauá e da Pedra Selada
Vista da região de Mauá com a Pedra Selada (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Há ainda algumas outras trilhas como a do Cruzeiro, Pedra da Gávea e Alto da Serra.

A Vila de Visconde de Mauá

Quer mais uma dica do que fazer em Visconde de Mauá? Andar pelo centrinho sem compromisso. A cidade tem praticamente uma avenida principal, a Presidente Wenceslau Braz. Nela que estão alguns restaurantes e lojinhas.

Carros e casas na avenida principal de Visconde de Mauá
Avenida principal da vila de Mauá (Foto: Esse Mundo É Nosso)

O restaurante mais famoso é o Gosto com Gosto, da chef Monica Rangel e que serve comida típica mineira. Mais abaixo falaremos mais sobre as opções de onde comer na região.

Além disso, lá ficam algumas galerias, como a Aldeia dos Imigrantes, com lojinhas e alguns bares e restaurantes. Uma dica legal pra quem gosta de chocolate é experimentar o da loja Tonttulakki Suklaat, que fica nesta galeria. Adorei o pão de mel.

Como toda cidade do interior, por aqui há a famosa igreja de São Sebastião, construída em 1912. Em frente fica o Centro de Informações Turísticas e um bonito gramado onde sempre há uma turma jogando futebol.

Igreja de São Sebastião em Visconde de Mauá cercada pela mata
Igreja de São Sebastião na entrada de Mauá (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Além da Prainha pertinho do Centro, é possível ainda se aventurar pela pequena trilha do Bosque do Visconde, que fica no Parque Estadual da Pedra Selada.

O início da trilha fica praticamente na avenida principal e possibilita uma bela visão, além de contato com a natureza, incluindo uma grande variedade de aves típicas.

Maringá e Maromba

São duas vilas de Maringá, uma que pertence ao Rio de Janeiro e a que fica em Minas Gerais. Elas estão separadas apenas por uma ponte, dá pra cruzar até mesmo a pé. A distância entre elas e Visconde de Mauá é de cerca de 7 km.

Na parte mineira, está a Alameda Gastronômica Tia Sofia, onde ficam os principais restaurantes da região, como o Bistrô das Meninas. Já na parte fluminense, além de alguns restaurantes, ficam mais lojinhas de artesanato e de produtos locais, como patês e compotas.

Dá para fazer tudo a pé, já que são poucas as ruas das duas vilas. E é muito divertido poder mudar de estado apenas atravessando a pé uma ponte.

Homem atravessa ponte que divide Minas do Rio em Maringá
Dá pra ir andando de um estado ao outro (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Agora, se você gosta de agito, a vida noturna da região não é das mais animadas. Como falaremos mais adiante, até há alguns poucos bares, mas não espere virar a noite.

A vila de Maromba, a cerca de 11 km de Mauá, é bem pequena. Além dos alguns restaurantes, pousadas e das cachoeiras, ela não tem muita estrutura.

Quando ir pra Visconde de Mauá

É possível viajar pra Visconde de Mauá e região durante o ano todo. Mas as estações são bem definidas por aqui. No inverno costuma fazer bastante frio e chover pouco, enquanto no verão faz mais calor e ocorrem mais chuvas.

Nos meses de junho, julho e agosto, espere pegar bastante frio pela manhã, inclusive termômetros negativos. Porém, à tarde, a temperatura costuma ficar agradável, mas mesmo assim o clima frio pode comprometer quem vem em busca de nadar nas cachoeiras.

Vista de varanda em Visconde de Mauá no amanhecer
Amanhecer em Mauá (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Já no verão, apesar da temperatura amena pela manhã e noite, pode fazer bastante calor, com termômetros perto dos 30ºC. Mas essa também é a época mais chuvosa, como em todo o Sudeste. Então espere pancadas de chuvas principalmente no final de tarde.

O período mais chuvoso vai de novembro a março, que coincide com as temperaturas mais altas.

Quem vem em busca das cachoeiras, o melhor é evitar o inverno. Já no verão, com os dias mais quentes e perfeitos pra nadar nas águas frias da Serra da Mantiqueira, é bom saber que as mais famosas, como a Escorrega, costumam ficar bem cheias.

Vale a dica: cuidado com as cachoeiras se estiver chovendo muito ou ameaçando chuva nas cabeceiras dos rios. O volume de água pode aumentar de uma hora pra outra e a correnteza ficar perigosa. Então fique atento(a) ou consulte um morador que está acostumado com o clima de Visconde de Mauá.

Alta temporada

A alta temporada por aqui coincide com as férias escolares, ou seja, tanto no final do ano como em julho. Esses são os períodos mais cheios, junto dos feriados.

Em outras épocas, muita gente costuma subir a serra nos finais de semana, mas as cidades não ficam tão lotadas mesmo com o maior movimento.

Nascer do sol em Visconde de Mauá com a Pedra Selada
Nascer do sol em Mauá no inverno (Foto: Esse Mundo É Nosso)

O que fazer em Visconde de Mauá no inverno

Embora o destino tenha muitas cachoeiras, há algumas opções do que fazer em Visconde de Mauá no inverno, época mais disputada pelos turistas.

A gente foi nessa estação do ano e não se arrependeu. Embora não seja ideal para quem deseja entrar nas cachoeiras e mergulhar, é ótimo para comer um bom fondue à noite em alguns dos restaurantes.

Dependendo do dia, os termômetros chegam a ficar abaixo de zero. Há até quem se aventure a encarar o frio do Pico das Agulhas Negras, um dos poucos pontos do Sudeste que já registraram neve.

Além disso, nesta época mais seca, as estradas costumam estar em condições melhores.

O que fazer no verão

O melhor de Visconde de Mauá no verão é poder aproveitar muito as cachoeiras. Mas mesmo assim não espere águas quentinhas.

Embora de dia faça bastante calor, à noite as temperaturas ficam amenas e dá para comer bem em algum restaurante.

Vale ressaltar que nesta época há maior possibilidade de chuvas e de cabeças d’água. Portanto, todo cuidado é pouco, inclusive nas estradas de terra.

Visconde de Mauá com chuva

Não há muito o que fazer em Visconde de Mauá com chuva. E olha que nós pegamos alguns dias chuvosos por lá.

A dica é andar pelo centrinho de Maringá e escolher algum bom restaurante para comer e beber. Além disso, vale a pena curtir sua pousada.

Onde ficar em Visconde de Mauá

Antes de escolher onde ficar, vou repetir que a região é dividida em várias vilas. Portanto, é importante prestar bastante atenção onde sua pousada está localizada.

Pra quem quer ficar mais próximo das lojas e restaurantes, a dica é se hospedar em Maringá. Já quem preferir estar mais perto de cachoeiras famosas, como a do Escorrega e a Poção dos 7 metros, o ideal é ficar mais perto de Maromba.

Banheira com vista pras montanhas na pousada Portal dos Ventos
Pousada Portal dos Ventos (Foto: Divulgação/Booking)

Já o centrinho de Mauá também tem algumas lojinhas e restaurantes. De toda forma, você irá passar por todas as vilas durante a sua viagem.

Aqui, vou dar algumas dicas de hospedagem, mas fizemos um post com 31 opções de hotéis e pousadas em Visconde Mauá com localização e preços. Vale a pena dar uma conferida.

A Bela Helena é uma das pousadas mais bem avaliadas da região. Está localizada a 14 km de Mauá. Outra boa opção é a Déllis, que fica em Visconde de Mauá.

Localizada a 2 km da principal região da vila, a Recanto dos Pássaros oferece restaurante. Além disso, tem estacionamento gratuito.

Outra dica de onde ficar em Visconde de Mauá é a Portal dos Ventos, a pousada mais alta da região, ou seja, com uma vista incrível.

A Pousada dos Amores está em Maringá, a 200 m das lojinhas e restaurantes. Portanto, ideal para quem deseja sair à noite sem precisar de carro.

Mais uma dica é a Colher de Chá, que fica na parte fluminense de Maringá e possui apenas 7 chalés.

Aproveite para ver mais opções de hospedagem em Visconde de Mauá com os melhores preços.

Onde comer em Visconde de Mauá

Há muitos bons restaurantes em Visconde de Mauá. Aliás, um prato que você irá encontrar em quase todos eles é a truta, uma das especialidades da região. Tem inclusive um restaurante, o Filho da Truta, no Vale do Pavão, que traz o peixe em diversas receitas.

Apesar dos principais restaurantes ficarem em Maringá, um dos mais famosos está em Mauá. O Gosto com Gosto, da chef Monica Rangel, tem como especialidade a culinária mineira.

Mesas na caçada e fachada do restaurante Gosto com Gosto em Visconde de Mauá
Gosto com Gosto (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Pra quem busca bebericar algo ao ar livre na vila, vale visitar três lugares: a Estação Mauá, a Aldeia dos Imigrantes e a Casa Beatles, que tem uma decoração toda em homenagem à banda.

Em Maringá de MG, nós visitamos o Bistrô das Meninas. Achamos ótimo, principalmente os pães. Mas o cardápio é meio inflacionado. Outras opções na região são o Due Fratelli, o Mauro Jr., e o Café Maringá Bistrô.

Pães do Bistrô das Meninas em Maringá MG
Pães do Bistrô das Meninas podem ser levados pra viagem (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Fomos também ao Cogumelo Bistrô, que tem uma unidade em Maringá de Minas e outra em Maromba, perto do Poção. O cardápio é especializado em cogumelos, mas também há outros tipos de pratos. Comemos o bobó de cogumelo e estava ótimo.

A região de Maringá do Rio tem outros bons restaurantes como o Marioca, o Zucchine e o Rosmarinus (na estrada entre Mauá e Maringá). No quesito sobremesa, uma dica é experimentar o sorvete da Finlandês.

É importante ressaltar que os restaurantes não abrem todos os dias da semana. Vale a pena checar antes com cada um, já que varia com a época do ano.

Chocolate

Se você gosta de chocolate, não pode deixar de experimentar as delícias da Tonttulakki Suklaat, que fica na galeria Aldeia dos Imigrantes, em Mauá.

Já em Maringá, aproveite para ir a pequena loja Doce Lembrança. Aliás, lá é possível ver através de um vidro a fabricação do chocolate.

Na região também está a Casa do Chocolate, fica na estrada depois de Maringá de MG. Apesar de ser divertido, já que você entra na cozinha onde os chocolates são preparados, não achei tão gostoso assim. Vale mais pela visita do que pelo doce.

Visconde de Mauá à noite

Não há muito o que fazer em Visconde de Mauá à noite. Sem dúvidas, esse é um destino para curtir de dia. O máximo da vida noturna da cidade é ir a algum restaurante para jantar. Até tem alguns bares também, mas nada muito agitado.

Uma boa dica é ir até a Vilas de Maringá, que possuem mais opções de restaurantes e bares. Mas não espere encontrar nenhuma balada ou algo que funcione madrugada adentro.

Home no anoitecer em Visconde de Mauá com vista pra mata
Anoitecer na região (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Roteiro em Visconde de Mauá

Preparamos uma sugestão de roteiro em Visconde de Mauá para uma viagem de 4 dias baseado no que fizemos por lá:

Dia 1

  • Chegada em Visconde de Mauá pela manhã
  • Cachoeira Véu da Noiva
  • Poção dos 7 Metros
  • Cachoeira do Escorrega
  • Cachoeira dos Macacos
  • Jantar no Bistrô das Meninas

Dia 2

  • Cachoeira Santa Clara
  • Toca da Raposa
  • Cachoeira do Santuário
  • Jantar no Cogumelo Bistrô

Dia 3

  • Vale do Alcantilado
  • Jantar no Rosmarinus

Dia 4

  • Passeio pelas vilas de Maringá de MG e do RJ
  • Passeio pelo centro histórico de Visconde de Mauá

Se tiver mais tempo em Visconde de Mauá, aproveite para ir também ao Poço do Marimbondo. O ideal é estar com um 4×4 ou contratar um passeio.

Se tiver bom condicionamento físico, a trilha pra Pedra Selada é uma boa opção.

Quantos dias ficar?

Apesar de termos ficado uma semana, 4 dias são suficientes para conhecer as principais cachoeiras e dar uma volta pelas vilas de Mauá, Maringá e Maromba.

Quem vem passar apenas um fim de semana, deve escolher entre as cachoeiras que mais quer conhecer, já que infelizmente não deve dar tempo de visitar muitas delas e ainda conhecer as vilas.

A dica é ir com calma, já que o ritmo aqui é bem tranquilo.

Rua principal de Maringá RJ com lojas e restaurantes
Travessa principal de Maringá RJ (Foto: Esse Mundo É Nosso)

O que levar na mala

É muito importante ficar atento ao que levar na mala para Visconde de Mauá. Como são muitas cachoeiras e trilhas na terra, lembre-se de levar roupas confortáveis e tênis ou botas ideais para caminhadas.

Além disso, mesmo que seja no verão, não esqueça de levar um casaco, já que a noite sempre é mais fria. No inverno, nem preciso falar que os casacos são essenciais, né?

Lembre-se também do protetor solar independente da época do ano e é sempre bom ter um repelente em local de muita mata.

Compras em Visconde de Mauá

Pra quem gosta de artesanato, queijos e doces, a região de Visconde de Mauá é um prato cheio. São diversas lojas espalhadas principalmente por Maringá do Rio de Janeiro.

Nós gostamos bastante também da Casa das Velas, uma loja que fica na estrada depois de Maringá de MG, sentido Casa do Chocolate. A loja é bem grande e possui diversos tipos de velas artesanais em muitos formatos e com fragrâncias diferentes. Vale a visita.

Produtos expostos na Casa das Velas em Maringá, MG
Casa das Velas em Maringá, MG (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Na vila de Mauá, há também alguns empórios bem gostosos, como Empório do Produtor (loja colaborativa) e Visconde Empório. Além disso, algumas lojas de artesanato valem a pena, como a Maria Preta.

Fachada do Visconde Empório
Visconde Empório (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Pra quem gosta de arte, uma boa pedida é a Galeria Casa da Vila, que também fica na principal avenida e num prédio lindo.

Principais produtos que você irá encontrar na região:

  • Artesanato e itens de decoração;
  • Produtos feitos com truta, como patês, pastas e antepastos;
  • Alimentos típicos de locais frios, como pinhão;
  • Diversos tipos de queijos, principalmente mineiros;
  • Doces de leite e de compota;
  • Molhos e geleias de frutas diversas;
  • Biscoitos e quitandas;
  • Chocolates;
  • Doces típicos, como bolo húngaro e ou a bomba inatômica;
  • Cervejas artesanais, cachaças e licores.

Como ir pra Visconde de Mauá

Visconde de Mauá fica a 226 km do Rio de Janeiro e a 294 km de São Paulo. O principal acesso é pela Via Dutra, passando por Penedo, outro destino que vale entrar no seu roteiro se tiver tempo, mesmo que seja apenas para um paradinha pro almoço.

Depois de Penedo, você começará a subir o trecho de serra, que embora seja curto, acaba levando quase uma hora. Ele é de pista simples e bastante sinuoso. Mas é ainda possível chegar pelo interior de Minas, passando por Bocaina de Minas e pelo distrito de Mirantão.

Embora tenha um único posto de gasolina, o ideal é vir com tanque cheio, pois os preços dos combustíveis são mais altos.

Como falamos, o melhor por aqui é estar de carro. Então nossa dica é alugar um caso você não tenha. Sugerimos pesquisar no site da Rentcars, que compara os preços das principais locadoras e permite parcelar em até 12 vezes.

Saindo do Rio de Janeiro

Se você quer viajar pra Visconde de Mauá saindo do Rio de Janeiro, deve pegar a Via Dutra sentido São Paulo até a saída 311, onde há sinalização de acesso a Penedo. Esse trecho da Dutra tem pedágios.

Depois de passar pelo portal da cidade, são cerca de mais 30 km, a maioria em trecho de serra, pela Rod. Dr. Rubéns Tramujas Mader (RJ-163). Como é um trecho sinuoso, esse trajeto, embora curto, pode levar quase uma hora.

Saindo de São Paulo

Quem viaja de São Paulo a Visconde de Mauá pode fazer o trajeto direto pela Via Dutra até a saída 311, sentido Penedo, ou então pegar as rodovias Ayrton Senna e Carvalho Pinto até o entroncamento com a Dutra em Taubaté. Vale dizer em ambas as opções contam com pedágios.

Placa na Vida Dutra na saída para Penedo e Visconde de Mauá
Sinalização na Via Dutra (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Há sinalização na Dutra, perto da saída 311. Ao passar pelo portal de Penedo, você deve seguir pela Rod. Dr. Rubéns Tramujas Mader (RJ-163) por mais cerca de 30 km até chegar em Mauá. Esse é o trecho de subida de serra em pista simples, então redobre a atenção.

Ônibus pra Visconde de Mauá

Embora essa não seja uma das melhores regiões pra depender deles, há sim alguns ônibus pra Visconde de Mauá. A principal linha para os turistas parte do Rio de Janeiro e chega direto na vila. Mas ele só circula aos finais de semana e alguns feriados.

Quem opera a linha Rio – Visconde de Mauá é a Viação Cidade do Aço. Normalmente os ônibus saem da capital às sextas e retornam aos domingos, mas ele pode operar em alguns feriados.

Se você quer vir em outros dias de semana ou de outras cidades, como São Paulo, a viagem fica mais difícil. É preciso pegar um ônibus até Resende e de lá um circular que passe por Mauá ou demais vilas.

Mas esses ônibus locais são bem poucos e têm apenas cerca de três horários diários. Caso você queira fazer dessa forma, recomendo que ligue para a Viação Resendense no telefone (24) 3354-1871, que opera veículos entre Resende e as vilas.

Preciso de carro em Visconde de Mauá?

Ter um carro para circular por Visconde de Mauá é quase essencial. Isso porque as atrações estão espalhadas por todas as vilas. Além disso, é o jeito mais fácil de chegar às cachoeiras, caso contrário você precisará contratar passeios.

Falando nisso, muitas estradas são de terra. Então, é bem provável que seu carro ficará todo sujo. É bom pesquisar antes como está a situação para não correr o risco de atolar.

Carro vermelho em estrada de terra da Cachoeira de Santa Clara, em Bocaina de Minas
Estrada para Cachoeira de Santa Clara (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Nós viajamos num carro normal e foi bem tranquilo. Em nenhum momento tivemos medo de atolar. Entretanto, dizem que para ir ao Poço do Marimbondo, o ideal é estar em um veículo 4X4.

De toda forma, é possível fechar passeios com as agências locais que irão levar você até as principais cachoeiras.

Outro lado ruim de não estar de carro é que boa parte dos restaurantes fica em Maringá. Portanto, se você estiver hospedado em Visconde de Mauá, vai acabar evitando ir até lá, já que até táxi é complicado por aqui.

Caso você deseje alugar um carro, a nossa dica é a Rentcars. Nela, é possível comparar o valor do aluguel em diversas locadoras. Além de dar para dividir o valor. Vale a pena conferir.

Como me deslocar entre as vilas

Apesar de estarem bem próximas uma das outras, o ideal é mesmo fazer os deslocamento entre as vilas de carro. De Mauá a Maromba, são cerca de 12 km. Já até Maringá, o trajeto tem por volta de 7 km.

Entre Visconde de Mauá e Maringá, a estrada é asfaltada. Já até Maromba o trecho é de terra, mas estava em bom estado quando estivemos por lá.

Há ônibus circulares da Viação Resendense que passam por Maromba, Maringá RJ e a vila de Mauá. Mas os horários são muito poucos, cerca de três apenas ao dia.

Não recomendamos fazer o trajeto a pé, já que é por meio da estrada e tem muito movimento de carros. Lembre-se também de sempre se informar sobre o estado da estrada antes de sair dirigindo.

Tem posto de gasolina e caixa eletrônico em Visconde de Mauá?

Há apenas um posto de gasolina na região que fica na estrada que liga Mauá a Maringá. E prepare-se pra preços altos. Então vale vir com tanque cheio e evitar abastecer no alto da serra.

Embora não exista caixa eletrônico por lá, todos os lugares aceitam cartão de crédito ou débito. De toda forma, sempre é bom levar um pouco de dinheiro.

Vista do vale onde fica Visconde de Mauá no entardecer
Vista da vila no entardecer (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Pega celular? Quais as operadoras?

Essa é daquelas coisas que a gente nem pensa antes de viajar, mas quando o destino é algum lugar pequeno é melhor ter isso em mente. Eu fiquei praticamente todos os dias sem sinal, já que minha operadora é TIM.

Quem tem melhor sinal de celular em Visconde de Mauá, Maringá e Maromba é a Vivo. Mas a Claro funcionava também em boa parte dos lugares. Já a TIM dificilmente tinha internet ou sinal. Oi e Nextel não têm cobertura por aqui.

Por fim, praticamente todas pousadas têm boa conexão de Wi-Fi.

História da região

O nome está ligada ao famoso comerciante e pioneiro industrial Irineu Evangelista de Sousa, o Visconde de Mauá. Ainda nos tempos do Brasil Império, na década de 1870, ele recebeu terras na região para exploração madeireira para produção de carvão.

Centro de Informações Turísticas de Visconde de Mauá
Foto: Esse Mundo É Nosso

Mais tarde, em 1889, seu filho Henrique instalaria por ali uma colônia para receber imigrantes vindos da Europa. Mas a ideia acabou não dando certo e poucos realmente se instalaram. Já no início do século XX, o governo compra suas terras numa nova tentativa de formar um núcleo para colonos europeus, que também fracassou.

Mesmo assim, algumas famílias, principalmente alemãs, fincaram raízes por aqui. Ao receber familiares vindos da Europa, surge a primeira vocação de turismo por aqui, por volta da década de 1930. Em 1937, Getúlio Vargas cria o Parque Nacional do Itatiaia, que começa a dar maior visibilidade à região.

Já nos anos de 1960, dois hotéis são responsáveis por iniciar a estrutura turística por aqui, o Casa Alpina e o Hotel Bühler, ambos localizados hoje em Maringá RJ.

Nos anos seguintes, entre 1970 e 1980, os hippies descobrem as belezas da região e colocam finalmente Visconde de Mauá no mapa turístico do Brasil, incluindo o crescimento das vilas de Maringá e Maromba.

Fonte da História: Wikipedia

Perguntas frequentes

Onde fica Visconde de Mauá?

A vila fica na Serra da Mantiqueira, em Resende, bem na divisa de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Próximos estão as vilas de Maringá RJ e MG, além de Maromba. Saiba mais sobre a região.

O que fazer em um final de semana?

Em poucos dias, dá pra conhecer as principais cachoeiras e também as vilas de Maringá e Maromba, além de ótimos restaurantes. Veja nossa sugestão de roteiro em Mauá.

Penedo e Visconde de Mauá numa mesma viagem

A distância entre Penedo e Visconde de Mauá é de apenas 30 km e dá facilmente pra combinar as duas numa mesma viagem. Se você chega pela Via Dutra, passará em frente ao Portal de Penedo antes de subir a serra em direção a Mauá.

Distância Visconde de Mauá a São Paulo e Rio de Janeiro

São Paulo fica a 294 km e o Rio de Janeiro está a 226 km de distância da cidade. O acesso a partir de ambas se dá pela Via Dutra (BR-116), na saída 311 na altura de Penedo.

Onde comer fondue em Visconde de Mauá?

Há excelentes restaurantes em toda a região, boa parte dos que servem fondue ficam em Maringá RJ e MG. Entre eles estão Marioca, Cogumelo Bistrô e Costa Brava Casa do Fondue. Veja nosso guia de onde comer.

Ficou com alguma dúvida sobre o que fazer em Visconde de Mauá? Deixe nos comentários!

Adolfo Nomelini
Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há mais de 13 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".
Vai viajar? Reserve aqui com os melhores preços

Quando você reserva com nossos parceiros, encontra os melhores preços e ainda ganha descontos, além de ajudar o nosso trabalho. Nós recebemos uma pequena comissão e você nao paga nada a mais por isso!

Hospedagens
Pelo mundo no Booking.com
Seguro Viagem
Ganhe 20% OFF em seu Seguro Viagem!
Passeios e Ingressos
Reserve experiências inesquecíveis em todo o mundo
Aluguel de Veículos
Sem iof em até 12x sem juros
Chip de Internet
Seu Chip de Internet Global para usar em todas as viagens