Mona Lisa no Louvre: Pode ser clichê, mas eu adorei ver de perto

Quando desembarquei do trem em Paris, saí correndo da estação olhando distante e para cima. Eu queria porque queria ver a Torre Eiffel de qualquer jeito. Era a mesma sensação de estar pela primeira vez no Rio de Janeiro e querer olhar, mesmo de longe, o Cristo Redentor.

Eu sabia que Paris era muito mais do que a Torre, mas para um marinheiro de primeira viagem aquele símbolo tinha importância. Quando eu a vi foi uma alegria inesquecível.

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

MONA LISA NO MUSEU DO LOUVRE

Depois da Torre Eiffel, eu queria ver a pirâmide do Louvre e, claro, a Mona Lisa. Para isso, decidi comprar o ingresso (na verdade, o Museum Pass, que dá acesso a vários museus com direito a pegar menos fila e com um preço melhor! Vale a pena dar uma pesquisada se você for para lá).

Depois de alguma fila, entrei no Louvre sem saber que ele era tão grande. Mas meu objetivo era mesmo só ver a Mona Lisa, já que tinha pouco tempo na cidade. Tentei me encontrar pelo mapa, mas não conseguia saber exatamente onde eu estava.

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

De repente, vi um grupo com 50 chineses eufóricos e andando bem rápido. Pensei: “Deve ser por ali”. Passei por eles e de repente… Surpresa! Estava numa sala e a Mona Lisa estava ali.

Confesso que para quem já cobriu diversos eventos com celebridades, aquele momento parecia mais um destes prêmios em que o famoso fica ali na frente parado e as dezenas de fotógrafos se apertam para pegar o melhor ângulo.

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

No lugar da celebridade, estava o célebre quadro. E no lugar dos fotógrafos profissionais estavam os turistas, inclusive os 50 chineses que eu tinha visto há pouco. Com proteção de vidro e sem ninguém poder chegar muito perto, lá estava a obra de Da Vinci. Todos queriam ver mais para falar que viram do que para analisar a arte em si. Porque com tanta gente em cima não tem como reparar em praticamente nada. E era apenas mais um dia comum na vida da Mona Lisa. Esta deve ser a sua rotina. Aliás, imagina quanta gente aqueles olhos já viram, né?

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Mona Lisa no Museu do Louvre (Foto: Esse Mundo é Nosso)

Não! Antes que me perguntem, eu não fiquei decepcionado com o que eu vi. Talvez pelo fato de tanta gente ter me falado exatamente isso antes: “Você vai se decepcionar! É muito pequeno”. Não achei tão pequeno assim, não achei nada que eu não pudesse achar. Sim. É só um quadro. Mas é a Mona Lisa. É o Louvre. É Paris. E faz parte do imaginário coletivo, do meu imaginário. E eu precisava viver isso de verdade.

Assim como chegar a Paris e querer ver a Torre logo de cara! Ou pousar em Londres à procura do Big Ben. Por mais turístico que possa ser, faz parte da alegria de viajar.

Agora, já posso ir a Paris com mais calma e visitar o Louvre sem ter a deliciosa obrigação de ver a Mona Lisa de (quase) perto.

+ Veja todas as dicas de Paris
+Ingresso para Torre Eiffel: Como comprar e o que esperar da visita
+ Igrejas em Paris: Sacré Cœur e Notre-Dame

MUSEU DO LOUVRE
Endereço: 75001 Paris, França

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM GOSTE

Adolfo Nomelini

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Comunicação em Mídias Digitais, é apaixonado por música, coxinha, televisão, seus óculos e internet. Trabalha há 8 anos com conteúdo online e passa boa parte do tempo "jogando o corpo no mundo, andando por todos os cantos e, pela lei natural dos encontros, deixando e recebendo um tanto".

1 Comment

  1. Adorei o post! Me senti como da primeira vez vendo a Monalisa. Aquele mundo de gente na frente dela rsrs Eu também não me decepcionei. #tamojunto 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *