Criada em 2018, a Flybondi inaugurou o conceito de companhia low cost (de baixo custo) na Argentina. Em pouco tempo, a empresa já anunciou voos para quatro destinos no Brasil, como Rio de Janeiro, Florianópolis, São Paulo e Porto Alegre. Mas ela é boa?

Com voos a preços tão interessantes entre os dois países, nós embarcamos na empresa e contamos como é voar pela Flybondi. Quem ainda não está acostumado ao conceito de baixo custo, muito comum na Europa, vai perceber que diversos serviços são pagos à parte, como mostramos nesse post.

COMO É VOAR PELA FLYBONDI

A Flybondi conta com apenas cinco aeronaves, mas mesmo assim voa para cerca de 20 destinos, incluindo os quatro brasileiros que citamos e outros no Uruguai, Paraguai e Argentina. Sua base de atuação é o pequeno aeroporto El Palomar, em Buenos Aires, uma antiga base militar que agora é compartilhada com voos civis de empresas low cost.

Avião da Flybondi (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Nós embarcamos na rota Buenos Aires – Bariloche, mas os serviços oferecidos pela empresa são os mesmos das rotas internacionais. Portanto, se você pretende voar do Brasil pra lá pode esperar o mesmo que relatamos nesse post e no vídeo abaixo.

+ Acesse nosso canal no YouTube pra mais dicas

| COMPRA DAS PASSAGENS

Eu gosto bastante do site da Flybondi, acho bem intuitivo, além de ter uma versão em português. O processo de compra é muito simples, só é importante ficar atento(a) aos serviços opcionais. Por ser uma low cost, como as europeias Ryanair e Volotea, todos os serviços são tarifados à parte, desde a bagagem despachada até as refeições.

Aproximação em Bariloche (Foto: Esse Mundo É Nosso)
Aproximação do voo em Bariloche, Argentina

Pra você ter uma ideia, após selecionar os trechos dos seus voos, você poderá contratar as bagagens, despacho de equipamentos musicais ou esportivos, excesso de peso, embarque preferencial, seleção de assentos, transfer entre o aeroporto e a cidade, e até algumas bebidas.

Nós compramos apenas as malas despachadas. É bom prestar atenção porque a bagagem de mão incluída é de apenas uma mochila ou item pessoal com dimensões de no máximo 30cm x 20cm x 40cm, que caibam embaixo do assento à frente do passageiro com no máximo 6kg (ou 10kg para voos saindo do ou para o Brasil). Para saber mais sobre bagagens, vale consultar o site da empresa.

+ Veja hotéis com descontos em Buenos Aires
+ Documentos necessários para Argentina
+ Quando ir pra lá? A melhor época

| CHECK-IN

O check-in deve ser feito pela internet, quando você poderá escolher entre imprimir ou receber o ticket no próprio celular. Quem deixa pra fazer no aeroporto paga uma taxa extra. Se você não comprou um assento, é nessa hora que o sistema irá “sortear” um pra você. Nós éramos dois passageiros na mesma reserva e nossos assentos saíram lado a lado.

Como disse, nós despachamos as malas em Buenos Aires, no pequeno aeroporto El Palomar, e não no Brasil. Quando chegamos a fila estava bem tranquila, mas em pouco tempo o terminal ficou bem cheio.

Check-in da Flybondi no aeroporto El Palomar, em Buenos Aires

Se você sai do Brasil não deverá ter muitos problemas com isso. Mas faça antes pela internet para não pagar a taxa por uma coisa tão simples.

| O AVIÃO

Os aviões usados pela Flybondi são Boeings 737, os mesmos que voam com a GOL no Brasil. Embora a configuração seja parecida, dá pra perceber que eles já têm alguns anos de uso, tanto pelas poltronas como pelo teto já um pouco mais antigo. Mas isso não atrapalhou em nada.

Avião da Flybondi (Foto: Esse Mundo É Nosso)

O espaço entre as poltronas sim fez diferença. Eu tenho 1,83m e fiquei um pouco apertado. Mas estamos numa low cost, né? Isso é bem comum. Por sorte, ninguém sentou ao meu lado e pude me esticar um pouco mais. Pelo menos os assentos reclinam um pouco.

Espaço entre as poltronas (Foto: Esse Mundo É Nosso)
Assentos do avião da Flybondi (Foto: Esse Mundo É Nosso)

| O VOO E O SERVIÇO

A tripulação é jovem, muito atenciosa e educada. Os uniformes mais modernos também chamaram a atenção. Nosso voo saiu de Buenos Aires alguns minutos antes do previsto e foi bem tranquilo. Pousamos em Bariloche também antes do horário.

Painel de embarque do voo pra Bariloche (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Não há entretenimento nem internet a bordo, então é bom já caprichar em opções para passar o tempo no seu celular ou com algum livro. Uma sugestão é fazer o download grátis do nosso podcast de viagem com dicas da Argentina 🙂 pra ouvir no seu Spotify, Deezer, Google Podcasts ou outro agregador de sua preferência.

Interior do avião da Flybondi (Foto: Esse Mundo É Nosso)

| SERVIÇO DE BORDO

No assento à frente fica um menu com as opções de refeições vendidas a bordo. Achei os preços até que bons, mas não comprei nada já que meu voo tinha partido às 7h da manhã e eu queria mesmo era dormir.

Serviço de bordo da Flybondi é pago (Foto: Esse Mundo É Nosso)

O pagamento deve ser feito em dinheiro (por enquanto o pagamento só é em peso argentino, mas há previsão de que cartões sejam aceitos em breve).

| O AEROPORTO

Como falei, a base de operação da Flybondi é um terceiro aeroporto de Buenos Aires, a cerca de 20km do centro. Nós publicamos um post com todas as dicas do El Palomar, como como chegar e sair, o que esperar do terminal e os serviços disponíveis. Se você vai desembarcar por lá vindo do Brasil, vale conferir.

Desembarque internacional em El Palomar (Foto: Esse Mundo É Nosso)

Mas mesmo assim, nosso voo de volta teve uma pequena alteração. Por conta de restrições operacionais, ele foi transferido para Ezeiza, que é o principal terminal da capital argentina.

+ Veja hotéis na Argentina com descontos
+ Tudo sobre o aeroporto El Palomar
+ Os documentos para viajar pra lá
+ Todas as dicas pra sua viagem ao país

AFINAL A FLYBONDI É BOA?

Eu gostei do serviço prestado, foi como eu esperava vindo de uma low cost. O preço que pagamos pelas passagens foi bem abaixo das concorrentes e os voos correram de forma tranquila. Acho justo para quem já sabe como funciona o serviço de uma aérea de baixo custo e tenha encontrado passagens baratas. Voltaria a voar com certeza!

Sobre o Autor
Rafael Carvalho
Mineiro fã de frango com quiabo e de uma boa cerveja, mora atualmente em São Paulo. É formado em Rádio e TV, pós-graduado em Jornalismo e trabalha há mais de 12 anos com Conteúdo Digital. Já passou por empresas como SBT e Jovem Pan FM. Apaixonado por viagens, fundou o Esse Mundo É Nosso e roda o Brasil e o mundo o ano todo sempre em busca de dicas para serem compartilhadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Reserve seu hotel aqui
Melhor preço para Seguro Viagem

Sobre Nós
Rafael Carvalho

Somos Adolfo Nomelini e Rafael Carvalho, dois jornalistas que trabalham com conteúdo digital há mais de 10 anos. Aqui você encontra nossas dicas de viagens pelo Brasil e o mundo.